quarta-feira, 27 de julho de 2016

PILATES PARA PESSOAS COM SOBREPESO




O Pilates envolve uma série de exercícios que proporcionam desenvolvimento do tônus muscular, equilíbrio, coordenação motora e flexibilidade.

Alguns movimentos são realizados em equipamentos, facilitando alguns movimentos e desafiando outros por conta da resistência oferecida pelas molas.

Sendo um trabalho global, o Pilates trabalha o fortalecimento dos músculos  profundos  do CORE, contribuindo para a melhora da postura. O objetivo de trabalhar diferentes capacidades físicas faz com que essa técnica tenha diferentes adeptos, cada um com um objetivo específico.

Clientes com sobrepeso encontram nesta técnica um modo eficiente para iniciar um programa de treinamento de modo gradativo, aliado com um acompanhamento nutricional.

O fato das aulas terem como objetivo inicial o desenvolvimento da consciência corporal e o fortalecimento da musculatura profunda, faz com que outras atividades sejam incorporadas no cotidiano sem o risco de lesões, especialmente nas articulações.

Já que as aulas não são aeróbias é importante que o profissional tenha em mente que para este público em especial, diferentes estímulos são essenciais para que haja um progresso. Aulas em circuito, por exemplo são interessantes.

A ideia foi inserir na seqüência regular da aula de Pilates trabalhos aeróbios na bicicleta, trampolins e steps. O trabalho de grandes grupos musculares aliado ao trabalho de controle neuromuscular favoreceu a perda calórica e, com isso, oemagrecimento.

As conquistas em relação a exercícios que necessitam de maior coordenação motora e equilíbrio, por exemplo, estimularam os alunos à fazerem outros exercício e mudarem seu estilo de vida.

Fonte: Revista Pilates em Evidência

Agende já uma sessão pelo telefone ou what's up 81818384.
Atendimentos personalizados com fisioterapeuta.
Realizamos avaliação postural de todos nossos alunos, trabalho direcionado para as suas necessidades e objetivos, experimente!





terça-feira, 26 de julho de 2016

COMO O PILATES PODE MELHORAR A ANSIEDADE?




Ansiedade é uma sensação ou sentimento decorrente da excessiva excitação do Sistema Nervoso Central consequente à interpretação de uma situação de estresse. É também – segundo o dicionário – uma condição emocional de sofrimento, marcada pela expectativa de um acontecimento inesperado e perigoso, à frente da qual o indivíduo se acha indefeso. E é diante disso que a rotina, a correria da vida moderna e o dia a dia agitado acabam nos colocando.

Trabalho e informações em excesso, a velocidade com que as coisas vem acontecendo e a violência nas grandes cidades acabam nos deixando apreensivos e ansiosos. Uma pessoa que está sempre em estado de tensão e ansiedade acaba interrompendo a respiração correta como uma forma de defesa, ocasionando um bloqueio do músculo diafragma. Isso pode causar dores de cabeça, nas costas, problemas gastrointestinais e até o aumento da ansiedade.

Como sabemos, a respiração é básica para a vida, mas ninguém nos ensina como é a forma mais correta de respirar e, por isso não lhe damos a devida importância. Respirar corretamente é um dos princípios do método Pilates, que enfatiza a realização de todos os exercícios em um ritmo respiratório, já que ao inspirar e expirar profundamente utilizamos a maior parte dos pulmões, otimizando a circulação do sangue oxigenado para todos os tecidos do corpo e melhorando a nutrição de todo o organismo. A prática ajuda a aprimorar a respiração e potencializar a capacidade respiratória. Uma respiração otimizada, mobiliza a região da coluna, tórax, sistema nervoso autônomo, que entre muitas funções é responsável pelo sono, relaxamento, digestão e reprodução. O Pilates trabalha a respiração, durante cada exercício, sendo um movimento natural e consciente. Segundo Joseph Pilates, o criador do método, a forma correta de respirar durante a realização dos exercícios, é inspirar puxando o ar pelo nariz expandindo as costelas tridimensionalmente e expirar soltando o ar pela boca esvaziando as costelas, sempre adequando o ritmo respiratório com o movimento realizado.

Para se ter um controle emocional, o corpo e a mente devem sempre ser trabalhados juntos, a ansiedade causa um bloqueio direto na couraça diafragmática. E um diafragma inibido afeta todos os sistemas já que ele está conectado a coluna, a musculatura abdominal, órgãos internos, nervos, veias e artérias.
Com o trabalho de respirar corretamente, que é realizado no Pilates, essa região é mobilizada na medida em que a respiração é solicitada durante o movimento. No início sendo consciente e programado, mas após a constante realização acaba se tornando um ato automático. Assim a respiração profunda e completa começa a ser realizada o dia todo e não só durante a prática de Pilates, controlando assim a ansiedade.

Além da respiração, o Pilates trabalha a concentração, consciência corporal, relaxamento dos músculos, trabalha o corpo como um todo. Mente e corpo juntos favorecendo a uma “mens sana in corpo sano” (é uma famosa citação latina, derivada da Sátira X do poeta romano Juvenal, presume-se entre 509 a.C. – 27 a.C) simbolizando uma mente saudável e corpo saudável. Significa bem-estar físico e mental. Chamando atenção para a união e complementaridade existente (ou que deve existir) entre o corpo e a mente.

A maioria dos alunos relata começar a se sentir melhor após a prática regular do Pilates. Mas vale lembrar, é necessário o diagnóstico de um médico para saber o nível de ansiedade e se é preciso tratamento medicamentoso e terapêutico para acompanhar.

“Respirar é o primeiro e último ato da vida. Nossa própria vida depende disso. Já que não podemos viver sem respirar, é tragicamente deplorável observar milhões de pessoas que nunca aprenderam a dominar a arte da respiração correta.” Joseph Pilates

Fonte: Revista Pilates

Agende já uma sessão pelo telefone ou what's up 81818384.
Atendimentos personalizados com fisioterapeuta.
Realizamos avaliação postural de todos nossos alunos, trabalho direcionado para as suas necessidades e objetivos, experimente!




segunda-feira, 25 de julho de 2016

PILATES X CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL





Uma das lutas incessantes de quem busca melhorar a silhueta corporal é diminuir a circunferência abdominal. Além de representar um problema estético, quando está a cima dos valores normais, é associada a alguns problemas cardiovasculares e metabólicos, e até mesmo ao desenvolvimento de dor lombar e degeneração dos discos intervertebrais. O limite de normalidade é de até 94 centímetros para homens, e 80 cm para mulheres.

A barriga indesejada é resultado de diversos fatores, tais como sedentarismo, alimentação inadequada e postura desalinhada. Para combatê-la, é indispensável ter uma alimentação saudável e exercitar-se regularmente. O método Pilates constitui uma ótima opção de exercício físico para melhora do contorno corporal.

O uso do Pilates como forma de condicionamento físico aumentou de forma expressiva nos últimos 10 anos. O método tem como princípio fundamental a ativação do centro de força durante os exercícios, o que abrange um conjunto de músculos situados entre a caixa torácica e a pelve, que formam uma estrutura de suporte, responsável pela sustentação da coluna e órgãos internos.

A musculatura da parede abdominal, integrante deste centro de força, tem um importante papel no equilíbrio da região lombar e da pelve. O transverso abdominal, músculo abdominal mais profundo, reveste as paredes laterais, anterior e posterior do abdome, agindo como uma espécie de cinta que contém as vísceras, e que, quando bem trabalhado, atua na diminuição da circunferência abdominal.

Na existência de uma hipotonia ou fraqueza abdominal, essa musculatura não desempenha o papel de forma satisfatória, induzindo uma atitude postural desequilibrada e uma predisposição a flacidez e protusão abdominal.

Em uma aula de Pilates, durante a execução de qualquer movimento, mesmo ele sendo para membros superiores, por exemplo, a musculatura abdominal deve permanecer ativada para estabilizar o corpo, o que gera um trabalho associado de abdome, de forma indireta. Ou seja, independente do exercício realizado, o abdome deve estar contraído.

Desta forma, o método Pilates é eficaz para trabalhar a força e a resistência da musculatura do centro do corpo, e auxiliar para a diminuição da circunferência abdominal. Com a musculatura abdominal bem tonificada, ocorre a compressão eficaz das vísceras, impedindo que ocorra o deslocamento para frente e isto contribui para a protusão abdominal.

Fonte: Revista Pilates em Evidência

Agende já uma sessão experimental pelo telefone ou what's up 81818384.
Atendimentos personalizados com fisioterapeuta.
Realizamos avaliação postural de todos nossos alunos, trabalho direcionado para as suas necessidades e objetivos, experimente!

domingo, 24 de julho de 2016

CONCILIE O PILATES COM A ROTINA




Organização e disciplina são as palavras mágicas quando se quer conseguir tempo para estudar, trabalhar e conquistar uma vida saudável.

Você não tem opção. Ou você toma uma atitude e “arranja” tempo, ou passa a vida dando desculpas para sempre. ‘’Segunda-feira começo’’, vai parando por aí!

Para manter o corpo em movimento com o Pilates, duas vezes na semana é mais que suficiente. De qualquer forma, é fundamental conversar com o seu médico antes de iniciar qualquer atividade.

Mesmo que uma pessoa trabalhe por 8 horas e faça faculdade a noite, é possível utilizar 30 minutos do horário de almoço, se exercitar antes do trabalho, ou se preferir, à noite, quando chega da faculdade. Se ainda assim você disser que não tem tempo, você tem os finais de semana!

Uma dica fundamental é fazer da atividade física um compromisso inadiável. Se você nunca faltar a esse compromisso, a tendência é que nunca falhe. Se falhar hoje, abrirá exceção e, uma vez aberta, ficará mais frequente. Ter essa disciplina é fundamental. Sem motivação, fica difícil fazer qualquer coisa.

Comece aos poucos e vá aumentando o ritmo. Se você começar pegando pesado, a tendência é querer desistir.  Outra dica importantíssima é escolher um estúdio perto da sua casa, da faculdade ou do trabalho. Vai depender do horário que você vai escolher para praticar. Acredite, isso dificultará a preguiça do deslocamento.

Descansar também é importante para conquistar uma vida saudável. Com a rotina estabelecida, programe-se para dormir sempre no mesmo horário e o mais cedo possível.

Antes de ir dormir, deixe sua mochila ou bolsa pronta para fazer as atividades do dia seguinte. Se organize e planeje os horários. Não dê brecha para a preguiça!

É preciso analisar o seu dia a dia e encaixar um tempinho. Pense que você está fazendo isso por você, para ter saúde, para viver mais tempo e ver seus filhos crescerem, ou para dormir melhor. Enfim, há tantos motivos! Encontre os seus e não deixe que a desculpa vença sua vontade de melhorar.

Fonte: Revista Pilates em Evidência

Agende já uma sessão experimental pelo telefone ou what's up 81818384.
Atendimentos personalizados com fisioterapeuta.
Realizamos avaliação postural de todos nossos alunos, trabalho direcionado para as suas necessidades e objetivos, experimente!



sábado, 23 de julho de 2016

MARILYN MONROE E O PILATES



E não é que a eterna diva, Marilyn Monroe, era pilateira? Encontramos várias evidências – e até fotos – que comprovam que a bela era praticante da atividade que nós tanto amamos! Ah, e de Ioga também.

Não é à toa que ela era linda, super ativa, dinâmica, cheia de elasticidade e dona de um dos corpos mais cheios de curvas e invejáveis do planeta. Marilyn Monroe foi um dos maiores símbolos sexuais do século 20.

A estrela, que deixou o mundo aos 36 anos, personificou o glamour hollywoodiano dos anos 50. Sua aparente vulnerabilidade e inocência, junto com sua inata sensualidade, a tornaram uma das mulheres mais desejadas do mundo.

Até hoje, Marilyn é ícone de beleza e sofisticação.

Fonte: Revista Pilates em Evidência

Agende já uma sessão experimental pelo telefone ou what's up 81818384.
Atendimentos personalizados com fisioterapeuta.
Realizamos avaliação postural de todos nossos alunos, trabalho direcionado para as suas necessidades e objetivos, experimente!





www.fisiobeautypilates.com.br

sexta-feira, 22 de julho de 2016

ESTABILIZAÇÃO SEGMENTAR VERTEBRAL





A instabilidade do tronco, tem se revelado como um fator predisponente para o desenvolvimento das dores lombar e cervical. Contudo, o tratamento de estabilização segmentar vertebral, tem se tornado necessário na recuperação das dores e complicações da coluna vertebral.

O que é Estabilização Segmentar Vertebral?

A estabilização segmentar vertebral (ESV) é uma técnica criada por fisioterapeutas e pesquisadores australianos da Universidade de Queensland, que visa devolver a função de estabilização de diferentes segmentos da coluna vertebral. O tratamento é direcionado com exercícios de fortalecimento muscular para a região cervical e lombar que promovem uma melhor sustentação para toda coluna.Os resultados podem ser imediatos na redução da dor e ao longo do tratamento, melhora-se a instabilidade da coluna.

O tratamento objetiva a contração conjunta e antecipada da musculatura do transverso do abdômen, multífido e assoalho pélvico; que agem como uma cinta interna protetora lombar e juntamente com o fortalecimento dos músculos profundos da cervical, estabilizam a coluna. O tratamento se divide em quatro estágios: no primeiro, são isoladas e treinadas as musculaturas da unidade interna sem carga; no segundo, treina-se a musculatura da unidade interna diminuindo a base de sustentação, começando a associar os movimentos dos membros superiores e inferiores. 

No estágio seguinte, é efetuado o controle da musculatura da unidade interna associando movimentos funcionais. Finalmente, no quarto estágio, integram-se os músculos da unidade interna e externa (músculos globais). Esses exercícios são realizados com o Stabilizer ou aparelho de pressão, aparelhos que monitoram a manutenção da pelve neutra, posição ideal para que os exercícios sejam realizados sem sobrecarregar as articulações da coluna.

Estes aparelhos auxiliam na manutenção da pelve neutra, sendo esta, a posição ideal para não haver sobrecarga na região cervical e lombar durante os exercícios terapêuticos. A etapa posterior, é conseguir realizar os exercícios mantendo a pelve neutra sem o auxílio do stabilizer e dessa forma, o paciente estará apto a realizar qualquer atividade do seu dia, preservando a coluna.


Por que estabilizar a coluna?

Mais de 80% da população mundial teve ou terá a experiência de dor lombar alguma vez na vida. Aproximadamente 80% destas pessoas apresentam recorrência dentro de um ano após o primeiro episódio de dor lombar. Sabe-se também que esta dor pode desaparecer entre 4 - 6 semanas, porém, os músculos profundos (estabilizadores) permanencem em disfuncão, inibidos. Cientificamente, nenhuma outra forma de tratamento demonstrou tamanha efetividade na disfunção lombo-pélvica. 
Cerca de 10 milhões de brasileiros ficam incapacitados por causa desta morbidade. Portanto, a ESV deve ser vista de forma preventiva, objetivando proteger a coluna e os demais segmentos para as atividades de vida diárias, evitando maiores sobrecargas e futuras lesões.


Indicações:


• Dor lombar aguda e crônica;
• Hérnia de disco;
• Dor e disfunções cervicais;
• Cefaléia;
• Dores irradiadas;
• Reabilitação desportiva;
• Incontinência Urinária e Fecal;
• Artrose
• Espondilolistese;
• Espondilólise;
• Instabilidade articular;
• Melhora do tônus muscular; 
• Melhora da flexibilidade;
• Melhora da consciência corporal.

O protocolo de tratamento compreende em sessões de 2 a 3 vezes por semana, no período de 3 meses, determinadas a partir de uma avaliação individualizada. A sessão dura  50 minutos.

Agende já uma sessão pelo telefone ou what's up 81818384.
Atendimentos personalizados com fisioterapeuta.
Realizamos avaliação postural de todos nossos alunos, trabalho direcionado para as suas necessidades e objetivos, experimente!




quinta-feira, 21 de julho de 2016

Pilates no Tratamento de Doenças Cardiovasculares



Você sabia que de acordo com a Diretriz Brasileira de Prevenção Cardiovascular, a epidemiologia das doenças cardiovasculares neste início de século, possui comportamento semelhante as grandes epidemias dos séculos passados?

Nesse texto iremos apresentar além de dados sobre as doenças do coração no Brasil, como o método Pilates pode contribuir no tratamento dessas patologias, como seus benefícios podem ajudar na reabilitação de alunos com essas complicações.


As doenças cardiovasculares são responsáveis pela maior causa de mortalidade no Brasil e é a principal causa de internação hospitalar pelo SUS, correspondendo a 22% das internações após os 45 anos de idade, em ambos os sexos.

Isto pode ser devido ao fato de que a população idosa está em crescente aumento e que nos últimos anos tem crescido a prevalência de fatores de risco, como tabagismo, obesidade, hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus.

Mas não é só no Brasil, tanto os países desenvolvidos, quanto os em desenvolvimentos possuem gastos elevados e alta prevalência dessas doenças.

Há algumas décadas, a prática de exercício físico nessa população, chegou a ser questionada e até mesmo não recomendada.

Porém, nos últimos anos, com o avanço da ciência e com o surgimento de inúmeros estudos, sabe-se os benefícios do exercício regular para as pessoas com doenças cardiovasculares, como aumento da força muscular, melhora da capacidade funcional e da qualidade de vida.

E conhecendo todos os benefícios do método criado por Joseph, como aumento da força muscular, da flexibilidade, equilíbrio e melhora do condicionamento físico, não seria possível utilizá-lo nesses pacientes?

Atualmente, a prática do Pilates está crescendo mundialmente e ganhando vários adeptos e tem se mostrado um potencial recurso adicional utilizado na reabilitação de pacientes com doenças cardiovasculares.

Inclusive, a Diretriz Sul-Americana de Prevenção e Reabilitação Cardiovascular, cita o método Pilates como alternativa ao exercício convencional com pesos livres ou aparelhos de musculação.

Na literatura existem diversos estudos que utilizaram o método, porém ainda são poucos os que o estudaram nesses pacientes. Mas, existem algumas evidências a respeito.

Um desses estudos, foi realizado em pacientes com insuficiência cardíaca, que é uma síndrome clínica e representa o desfecho final de várias doenças que acometem o coração.

Guimarães e colaboradores, realizaram um ensaio clínico randomizado, com o objetivo de investigar os efeitos do Pilates nas variáveis de capacidade de exercício em pacientes com insuficiência cardíaca.

Os pacientes foram divididos em dois grupos. Um grupo realizou o exercício aeróbico, seguido da reabilitação cardíaca convencional e o outro realizou o exercício aeróbico, seguido do MAT Pilates, ambos 2 vezes por semana, durante 16 semanas.

Como resultado, o grupo reabilitação convencional melhorou somente a tolerância ao exercício, já o grupo que realizou o MAT Pilates, além da tolerância ao exercício, também teve aumento significativo do consumo de oxigênio pico, da ventilação, do pulso de oxigênio (relação entre o consumo de oxigênio e a frequência cardíaca) e diminuição da pressão arterial diastólica de repouso.

Os autores concluíram que o método Pilates pode ser benéfico e utilizado como uma alternativa para os pacientes com insuficiência cardíaca que prefiram outras formas de exercício e ressaltam a necessidade de mais estudos.

Mas, tão importante como reabilitar, é prevenir. Como já dizia o antigo ditado: “é melhor prevenir, do que remediar! ”.

A prevenção e controle das doenças cardiovasculares e seus fatores de risco são fundamentais para evitar um crescimento epidêmico dessas doenças e suas consequências deletérias para a qualidade de vida e o sistema de saúde no país.

O Pilates é um tratamento não farmacológico, que também poderá contribuir de forma significativa na prevenção dessas doenças e isso já é demonstrado em algumas pesquisas.

Junges e colaboradores, após realizaram uma recente revisão sistemática sobre o efeito do Pilates em fatores de risco para doenças cardiometabólicas, concluíram que o Pilates está se consolidando como um exercício eficaz na redução de porcentagem de gordura corporal, massa gorda, relação cintura/quadril e da pressão arterial em indivíduos de diferentes faixas etárias.

Entretanto, apenas três estudos foram encontrados investigando o efeito do Pilates em relação de fatores de risco clássicos para as doenças cardiometabólicas, como a glicemia, os triglicerídeos e a HDL-c, não sendo observados efeitos do Pilates nesses fatores.

E acrescentam que são necessários mais estudos, inclusive com um tempo de intervenção maior, para que se possa confirmar a eficácia do método na diminuição dos fatores de riscos cardiometabólicos.

É importante lembrar que para que o Pilates seja realizado com segurança, deve-se respeitar a individualidade dos pacientes, levando em consideração a doença de base, a condição clínica e outras doenças associadas.

Além da necessidade de sempre realizar um monitoramento desses pacientes antes, durante e após as sessões. Alguns parâmetros como pressão arterial, frequência cardíaca, saturação periférica de oxigênio e percepção subjetiva de esforço (escala de Borg), devem ser aferidos e avaliados. Caso alcancem valores acima do considerado seguro, os exercícios devem ser interrompidos.

Outro importante ponto a ser observado, são quais os medicamentos que esse paciente está fazendo uso, pois alguns deles, podem influenciar a resposta cardiovascular durante o exercício. Como é o caso dos betabloqueadores, que atuam diminuindo a resposta cronotrópica do coração.

Conclusão


Para que o método Pilates seja utilizado na reabilitação de pacientes com doenças cardiovasculares, é importante que o profissional, além da formação em Pilates, tenha formação em Fisioterapia Cardiovascular ou Cardiorrespiratória, se Fisioterapeuta, por exemplo.

Os estudos publicados demonstram os benefícios do Pilates para essa população. Porém, ainda são poucas as evidências da associação do método com as doenças cardiovasculares. Dessa forma, é necessária uma boa avaliação e não esqueça de levar em consideração as comorbidades prévias apresentadas por esses pacientes, para que o Pilates seja realizado com segurança e que traga o máximo de benefício para os praticantes.

Fonte: Texto adaptado Blog Pilates

Agende já uma sessão experimental pelo telefone ou what's up 81818384.
Atendimentos personalizados com fisioterapeuta.
Realizamos avaliação postural de todos nossos alunos, trabalho direcionado para as suas necessidades e objetivos, experimente!





quarta-feira, 20 de julho de 2016

Escoliose e Pilates: Qual o Rumo Certo para sua Coluna?




A sua, a minha, a nossa coluna vem, ao longo do tempo, adaptando-se às demandas decorrentes das atividades estressantes e disfuncionais do dia-a-dia, gerando alterações no seu alinhamento conhecidas como escoliose. Essa disfunção afeta, infelizmente, desde crianças até idosos.
O pilates é um ótimo método para buscar o realinhamento dessa parte do corpo tão importante. A escoliose é um desvio da coluna vertebral para a esquerda ou direita, resultando em um formato de “S” ou “C”. É um desvio da coluna no plano frontal, acompanhado de uma rotação e de uma gibosidade (corresponde a uma lateroflexão vertebral).

A vida corrida da velha e nova geração conduz a atividades muito desalinhadas, causando desequilíbrio no nosso eixo corporal, comprometendo deste a saúde até a estética e autoestima. Esse desalinhamento surge na infância com crianças que carregam muito peso em mochilas escolares de forma inadequada. Essa alteração também pode ser congênita, no qual já se nasce com ela. Contudo, a mais frequente é adquirida por maus hábitos posturais, podendo ser tratada precocemente.
Os tratamentos são variados, entretanto, para criança, adolescente ou mesmo adulto, são muito desgastastes os tratamentos convencionais, que são cansativos e desestimulantes devido a rotina repetitiva. Neste sentido o método Pilates vem com uma proposta inovadora, no qual o foco não é simplesmente as curvaturas, mas o indivíduo como um todo. Deixa de ser apenas um tratamento e passa a ser uma atividade física de qualidade de vida.

O objetivo por meio de uma série de exercícios não é focalizar a curvatura, alongando de um lado e fortalecendo do outro; o objetivo é tratar a coluna de uma forma geral fortalecendo e flexibilizando todos os músculos que envolvem a coluna, gerando mais estabilidade e de forma nada tradicional, com mais de 700 exercícios extremamente dinâmico voltados não só para a curvatura, mas para hipertrofia muscular, mobilidade da coluna e equilíbrio do tronco. É uma atividade completa, que não visa apenas à coluna vertebral, mas o indivíduo como um todo.

Se a terapia por meio do Pilates iniciar precocemente, essa coluna poderá ser reestabelecida no seu eixo vertical voltando ao seu alinhamento. Caso o tratamento seja tardio, ele tende a melhorar a sintomatologia como dor e fadiga muscular e promover maior estabilidade da coluna durante as atividades de vida diária.
Hoje, o método Pilates é realmente um tratamento que a ciência preconiza para pessoas com escoliose, no qual as publicações científicas mostram a eficácia do método – inclusive em escoliose estruturais de adultos. O que seria mais indicado ser feito usando o Pilates? A melhor seleção de exercícios seria todos que trabalham em cadeia cinética fechada frontal e lateral, tanto em solo quando em equipamentos, para promover distribuição de carga lateral uniforme.

Porque buscar novas alternativas?

Hoje, com tantas possibilidades de tratamentos, é extremamente importante escolher o que mais envolve, de forma prazerosa, quem busca os tratamentos de escoliose, pois o tratamento é lento e longo. Pode-se concluir que o método Pilates, por meio dos exercícios de hipertrofia longitudinal, radial e tensões máximas, principalmente em cadeia cinética fechada, associados ao princípio de equilíbrio da conexão mente-corpo, irá promover resultados mais eficazes nos indivíduos portadores dessa alteração postural.

É importante que o tratamento comece o mais cedo possível com foco em estabilidade da coluna. Outro ponto importante é escolher professores qualificados que usem o Pilates como mais que um tratamento, mas como uma escolha de filosofia de treinamento corporal que gera prazer e que poderá ser usado por toda vida.
Profissionais que conhecem além da fisiopatologia da disfunção, vão fazer grande diferença durante o curso do tratamento, pois conhecem os mecanismos pelos quais o método é capaz de tratar, usando os princípios intrínsecos da hipertrofia organizada e equilíbrio neuromuscular.


Agende já uma sessão experimental pelo telefone ou what's up 81818384.
Atendimentos personalizados com fisioterapeuta.
Realizamos avaliação postural de todos nossos alunos, trabalho direcionado para as suas necessidades e objetivos, experimente!




www.fisiobeautypilates.com.br

terça-feira, 19 de julho de 2016

O método Pilates é indicado para cuidar da saúde da mulher durante o período da gestação e no pós-parto?




A gestação não é uma doença ou disfunção. Na verdade, durante o período da gravidez, a mulher tem suas funções adaptadas para o período gestacional, no qual ela precisa respeitar essas alterações fisiológicas – que não são patológicas e, sim, fisiológicas circunstanciais.

Durante a gestação, o método deve ser aplicado não como um treinamento físico, e sim como um método para melhorar o condicionamento da mulher para facilitar o processo de gestação, facilitando o trabalho de parto e acelerando sua recuperação pós-parto. 

É importante ressaltar que, em cada trimestre da gestação, o método Pilates deve ter uma abordagem de acordo com as alterações sistêmicas. Contudo, está contra-indicada a atividade se houver algum fator específico ou pré-existente, como um aborto ocorrido no primeiro trimestre, ou quadro de placenta prévia, ou, ainda, histórico de sangramentos. 

O método Pilates está indicado para a dispnéia (respiração ofegante e cansaço), controle da pressão arterial alta e fadiga muscular gerada pela sobrecarga muscular. Também auxilia na diminuição das cãimbras pois promove hipertrofia longitudinal nos músculos, gerando mais flexibilidade. Aumentar a força de músculos importantes, como os estabilizadores da escápula, diminuindo a curvatura da coluna torácica (curvada para frente), reorganiza o centro de gravidade, melhorando o equilíbrio corporal. O método promove também estabilização da coluna lombar, dando mais conforto na coluna e reorganização biomecânica do compartimento lombo pélvico.

O pilates também pode ajudar e muito à mulheres grávidas (ou não) na relação sexual pois, segundo estudo com a população brasileira conduzido em 2004 pela psiquiatra, fundadora e coordenadora do Projeto Sexualidade (ProSex) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, Carmita Helena Najjar Abdo e colaboradores, 49% das mulheres tem, pelo menos, uma disfunção sexual; sendo o desejo sexual hipoativo (26,7%) o mais encontrado, seguido de dor no ato sexual (23,1%) e disfunção orgástica (21%). Ou seja, durante o ato sexual, quanto mais força a mulher tiver no assoalho pélvico, melhor será o acoplamento do ato sexual e menor será a chance da mulher sentir dor e maior será a chance dela sentir prazer.

Outro fator que auxiliará neste momento é a mobilidade pélvica e a flexibilidade dos músculos adutores pois, com isso, a mulher conseguirá abduzir (abrir) os quadris facilitando a penetração – já que, quanto mais encurtados os músculos internos das coxas, mais limitada a abertura das pernas e maior dificuldade a mulher terá durante o ato sexual.

Fonte: Texto adaptado Fisiociência

Agende já uma sessão experimental pelo telefone ou what's up 81818384.
Atendimentos personalizados com fisioterapeuta.
Realizamos avaliação postural de todos nossos alunos, trabalho direcionado para as suas necessidades e objetivos, experimente!



www.fisiobeautypilates.com.br

segunda-feira, 18 de julho de 2016

DICAS PARA CONTORNAR DORES E DESCONFORTOS NO INVERNO




O inverno oficialmente chegou e promete ser um dos mais rigorosos dos últimos tempos, com o fenômeno La Niña. Hoje,  daremos algumas dicas para prevenir e reduzir os reflexos do frio no organismo, que se tornam mais constantes e intensos, causando dores musculares e articulares.

Alguns dos fatores que explicam a relação entre frio e dor, são o aumento da tensão nas fibras musculares, a contração de vasos sanguíneos e a perda de lubrificação articular e muscular.

Os músculos se contraem na tentativa de produzir calor, aumentando a tensão nas fibras musculares. Outro fator é o fenômeno chamado de vasoconstrição periférica: os vasos sanguíneos das extremidades se contraem e direcionam o sangue para o tronco, a fim de manter uma temperatura favorável aos órgãos vitais (cérebro, coração, pulmão e outros órgãos internos). Com isso, os músculos e as articulações recebem um menor aporte sanguíneo e ficam mais sensíveis a dor. Além disso, as baixas temperaturas podem provocar um espessamento do líquido responsável pela lubrificação articular e muscular, gerando limitação de movimento.

A  prática de exercícios físicos durante essa época do ano é deixada de lado, o que acaba provocando rigidez musculo-articular e dor. Por isso, recomendamos a prática de atividades físicas mesmo durante o frio, principalmente para crianças e idosos. Pessoas com doenças, como artrite e artrose, têm sintomas acentuados durante o inverno por normalmente apresentarem diminuição na lubrificação articular e maior tensão da musculatura envolvida com a patologia.

Os exercícios físicos são ótimos aliados para aumentar a temperatura corporal. É preciso movimentar-se, seja com alongamentos, caminhada ou Pilates. Uma boa dica é alongar-se ao acordar para melhorar a flexibilidade dos músculos.

Como já sabemos, o Pilates é uma modalidade que pode ser praticada por qualquer pessoa e muito indicada a todos os públicos, pois alia alongamento, fortalecimento muscular e trabalha a consciência corporal, proporcionando diversos benefícios para o corpo e a mente.

Fonte: Revista Pilates

Agende já uma sessão experimental pelo telefone ou what's up 81818384.
Atendimentos personalizados com fisioterapeuta.
Realizamos avaliação postural de todos nossos alunos, trabalho direcionado para as suas necessidades e objetivos, experimente!




RESULTADOS DE TRATAMENTOS - FOTOS ANTES E DEPOIS














Agende uma avaliação gratuitamente pelo telefone ou what`s up 51 81818384!!!
Todos os tratamentos são realizamos pessoalmente pela fisioterapeuta.







www.fisiobeautypilates.com.br

domingo, 17 de julho de 2016

POR QUE O PILATES FAZ BEM PARA A SAÚDE?




Você já deve ter ouvido que o Pilates faz bem para a saúde postural e que diminui dores nas articulações em geral, não é mesmo?

Eu mesma já escrevi vários textos aqui para a Revista Pilates, dando dicas de exercícios fáceis para cuidar da postura, de dores nas costas etc.

Mas você sabe por que exatamente o Pilates é tão indicado para a postura e problemas articulares em relação às outras modalidades de treinamento?

Hoje em dia existem inúmeras formas de se exercitar – musculação, atividades aquáticas, yoga e esportes em geral. Porém, o método Pilates tem conquistado cada vez mais relevância nesse cenário.

Além de ser um sistema de exercícios com equipamentos exclusivos, a filosofia e os princípios do método proporcionam a perfeita conexão mente e corpo, fazendo com que haja uma educação do movimento.

Compreendendo o funcionamento da biomecânica do próprio corpo, é possível move-lo de maneira inteligente, segura e eficaz.

O fortalecimento no método Pilates acontece de dentro para fora. Primeiro recrutam-se as musculaturas mais profundas e depois as superficiais.

Todos os exercícios de mobilização específica e global que são realizados em uma aula têm por objetivo, entre tantos outros, o acionamento e fortalecimento dos músculos profundos de cada articulação: os estabilizadores. Esses músculos são estimulados através exercícios de baixa intensidade e pequenas amplitudes.  Eles são responsáveis por controlar os movimentos que realizamos e preservar a saúde do nosso sistema passivo (articulações, ligamentos, entre outros).

A partir desse trabalho, as articulações estão preparadas para realizar exercícios de maior amplitude e sobrecarga. E então passamos para o fortalecimento das musculaturas superficiais, que são aquelas que sentimos ao fazer esforço, ou que às vezes ficam tensas.   Elas são responsáveis por todo movimento que somos capazes de realizar.

Fortalecendo apenas a musculatura superficial não garantimos o controle do movimento no sentido mais amplo.  As estruturas corporais continuarão em desequilíbrio e novas tensões irão se manifestar.

Quando o fortalecimento é construído de dentro para fora, o corpo estará apto para realizar movimentos mais desafiadores, que exijam força global e grande amplitude de movimento.

Todos os exercícios do Pilates visam amplitude de movimento com qualidade de execução. Sendo assim, a flexibilidade e a mobilidade estão sempre integradas ao trabalho de força e controle do movimento. É a perfeita sinergia das habilidades motoras em prol do equilíbrio – no sentido amplo da palavra.

Acredite! Você tem uma ferramenta incrível para se mover e educar a biomecânica corporal.

O Pilates pode não ser a única atividade que você vai praticar por toda a sua vida. Mas com certeza ele será a base para que você possa praticar o que quiser com maior controle e autoconhecimento.  

E lembre-se: O Pilates educa o corpo que se propõe a praticá-lo, independentemente de suas restrições. Todas as limitações do praticante devem consideradas pelo instrutor, que adaptará os exercícios quando necessário.

Fonte: Revista Pilates


Agende já uma sessão experimental pelo telefone ou what's up 81818384.
Atendimentos personalizados com fisioterapeuta.
Realizamos avaliação postural de todos nossos alunos, trabalho direcionado para as suas necessidades e objetivos, experimente!







sábado, 16 de julho de 2016

Como o Pilates pode Melhorar a Dor Lombar



A dor na coluna lombar inespecífica representa 90% dos casos de lombalgia e está associada às lesões musculoesqueléticas, aos desequilíbrios musculares da coluna lombar e à falta de estabilização dos músculos pélvicos. Estima-se que 80% a 90% das pessoas apresentam algum tipo de problema relacionado à coluna vertebral (Deyo e Phillips, 1996). Segundo Pereira (2001), a dor lombar é uma das 20 queixas mais frequentes no Brasil e é responsável por cerca de 15 a cada 100 consultas realizadas no nosso país. Com o estilo de vida atual, as doenças não transmissíveis tendem a aumentar, isto porque induz o ciclo vicioso de inatividade física e dor (Hanson, Gluckman e Nutbeam, 2011). A prevalência da dor lombar crônica inespecífica aumenta significativamente com a idade e os fatores de risco são a obesidade, o tabagismo e o sedentarismo. Acometendo principalmente os homens acima de 40 anos e mulheres entre 50 e 60 anos.

Nos pacientes com relato de dor lombar ocorre um atraso na pré-ativação ou feedfoward do músculo transverso do abdome (TrA) — nas pessoas saudáveis esta contração ocorre aproximadamente 30 milissegundos antes de qualquer movimento (Hodges e Richardson, 1999), sendo necessária nos pacientes com lombalgia maior perturbação para iniciar sua ativação, resultando em um déficit de controle motor e estabilização muscular ineficiente da coluna vertebral (Hodges, 1999).

Por isso o método Pilates é comumente indicado para pessoas com dor lombar, onde o foco é a ativação de músculos estabilizadores do tronco (powerhouse), de modo a aumentar a estabilidade da coluna e reduzir a dor e a incapacidade.

Natour et al., (2015) avaliaram o efeito dos exercícios de Pilates em 60 pacientes com dor lombar crônica inespecífica, após 45, 90 e 180 dias e concluíram que o Método Pilates melhorou a dor e aumentou a qualidade de vida destes pacientes, além disso, o método não teve nenhum efeito prejudicial.

Fonte: Revista Pilates





sexta-feira, 15 de julho de 2016

Como o exercício físico melhora o seu desempenho no trabalho




Quando as pessoas pensam sobre os benefícios do exercício físico, tendem a se concentrar apenas no que diz respeito aos resultados físicos, ou seja, do corpo e da saúde.

Baixa pressão arterial, um coração mais saudável, um corpo mais atraente, etc. Mas ao longo da última década, os cientistas têm reunido provas convincentes que sugerem que há benefícios diferentes e mais imediatos do exercício físico regular: o seu impacto sobre a forma como as pessoas pensam.

Estudos indicam que o poder mental está diretamente ligado ao seu físico. E em nenhum lugar as implicações são mais do que relevantes para o desempenho no trabalho.

Benefícios para o trabalho

Considere os seguintes benefícios cognitivos que você pode esperar como resultado da incorporação do exercício físico na sua rotina:

Melhora a concentração;
Aprendizagem mais rápida;
Resistência mental prolongada;
Criatividade reforçadas;
Ajuda a combater o estresse.
O exercício físico também ajuda a melhorar o humor, o que tem grande influência na qualidade do seu trabalho. Com certeza o seu trabalho exige que você construa conexões interpessoais e colabore com os outros.

Dentro deste contexto, se sentir irritado não é apenas uma inconveniência, já que isso pode influenciar diretamente no seu sucesso profissional.

Também há evidências que sugerem que o exercício físico praticado regularmente pode melhorar aumentar o seu desempenho. Como por exemplo, os resultados de um estudo realizado pela Metropolitan University, universidade em Londres, Inglaterra, que pesquisou a influência da prática do exercício físico durante o dia em pessoas que trabalham em escritórios e que têm acesso gratuitamente a uma academia da empresa.

Quem não iria gostar de ter pesos e aula de yoga grátis no escritório? Mas isso realmente faz alguma diferença?

Estudo e produtividade

Dentro deste estudo, foram pesquisados mais de 200 funcionários de várias companhias e pediu-se que eles relatassem o seu desempenho diário. Então analisaram as flutuações entre cada funcionário, comparando a sua produção nos dias em que eles praticavam exercício físico e nos dias que não.

Aqui está o que eles descobriram: Nos dias em que os funcionários iam para a academia, a sua produção no trabalho era muito melhor. Eles relataram que geriram o seu tempo de forma mais eficaz, sendo mais produtivos, e tendo interações mais agradáveis com os seus colegas.

Outro fator importante é que eles disseram que voltaram para casa se sentindo mais satisfeitos no final do dia.

Desafios e o que fazer

Com todos esses benefícios, o que impede as pessoas de praticarem atividade física com maior frequência?

Para muitos a resposta é simples: não tem tempo, e com toda certeza, esta é uma explicação legítima. Há semanas em que o trabalho é esmagador e os prazos acabam com a vida das pessoas.

Porém, o fato é que quando dizem que não há tempo para praticar a atividade física, é porque não a consideram uma prioridade de acordo ao tempo que têm disponível.

É por isso que essa pesquisa focou nos benefícios cognitivos do exercício físico para torná-lo ainda mais atraente, já que ele permite que as pessoas trabalhem com mais eficiência, sendo mais produtivas.

E mesmo assim, muitas pessoas continuam vendo o exercício físico como um luxo, algo que faria apenas se tivesse mais tempo. Em vez disso, a sua prática é algo que é feito para si mesmo, como uma indulgência pessoal que te tira do seu trabalho, por isso é hora de considerar o exercício físico como parte do seu trabalho.

A alternativa, que envolve o processamento de informações de forma mais lenta, esquecendo das coisas com maior frequência, e consequentemente se sentindo frustrado com maior frequência, torna a pessoa menos eficiente no trabalho e faz com que a convivência com os seus colegas seja mais difícil.

Como você pode incorporar o exercício físico na sua rotina?

Veja algumas sugestões baseadas em pesquisas.

1. Identifique uma atividade física que você realmente goste
Há muitas maneiras de praticar exercícios físicos durante o seu dia a dia sem ter que ficar horas correndo em uma esteira. Encontre uma atividade física que você possa se divertir, que tenha prazer em praticar, como natação, tênis, dança, futebol, etc. É mais provável que você continue praticando se for algo que você realmente goste.

Uma série de estudos recentes também sugere que o que as pessoas sentem durante o exercício pode influenciar no grau em que ela beneficia a sua saúde. Quando o exercício físico é visto como algo que se faz por diversão, fica mais fácil que depois a pessoa resista aos alimentos que não são saudáveis. Mas quando a mesma atividade física é vista como uma tarefa, uma obrigação, fica muito mais difícil dizer não aos alimentos que engordam, presumivelmente porque toda a força de vontade já foi usada durante o exercício.

2. Invista na melhoria do seu desempenho
Em vez de pensar apenas que você TEM que praticar algum exercício físico, concentre-se em dominar algum tipo de atividade, coloque metas, que de acordo aos psicólogos, é visto como algo que define os objetivos centrados e faz com que as pessoas alcancem novos níveis de competência.

Então, contratar um treinador, se inscrever em uma aula e comprar a roupa e/ou o equipamento certo pode te ajudar de várias maneiras.

O investimento financeiro adicional irá aumentar o seu nível de compromisso, enquanto os ganhos constantes de desempenho irão ajudar a manter o seu interesse a longo prazo.

3. Entre para um grupo, uma equipe, time
Uma recomendação para quem está aspirando ser um frequentador de academia, é encontrar um regime de exercícios que envolva outras pessoas. Socializar torna o exercício mais divertido, o que melhora as chances de você continuar praticando, e também é muito mais difícil de voltar atrás, abandonando um amigo ou o treinador.

Mas há uma outra parte desta pesquisa, que é melhor considerar antes de se inscrever em uma aula de ginástica. Estudos indicam que nem todas as atividades “de grupo” são igualmente eficazes na hora de manter o interesse, já que as pessoas tendem a ser mais propensas a não desistir quando os outros dependem da sua participação.

Como exemplo, pense nas aulas de yoga ou Pilates. Cada uma envolve tarefas individuais que exigem que o aluno trabalhe sozinho, mesmo estando na presença de outros. Ambas as atividades tecnicamente acontecem dentro de um contexto de grupo, no entanto, nesses casos, o “grupo” é descrito de forma mais precisa como um coletivo.

A pesquisa sugere que, se você estiver buscando estabelecer uma rotina, se exercitar como parte de um coletivo é melhor do que sozinho, mas não é tão eficaz como o exercício em que você faça parte de uma equipe. Por isso, considere o vôlei, futebol, basquete, entre outras atividades coletivas, em que os seus esforços contribuam diretamente para o sucesso de uma equipe, e se você não for, outros irão sofrer.

Independentemente da maneira de como você irá colocar o seu exercício físico em sua rotina, não esqueça que isso está ajudando diretamente no seu trabalho, e não como muitos pensam… que o está abandonando.

Fonte: mundoboaforma


quinta-feira, 14 de julho de 2016

Exercite-se para viver mais





Pessoas que se movimentam ao longo do dia têm até cinco vezes menos risco de morrer do que os sedentários.

Essa é pra você que passa muito tempo sentado na frente de um computador ou televisão: um estudo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos revela que esse hábito abala a longevidade.

Os 3 mil voluntários, de 50 a 79 anos, usaram durante sete dias um aparelho chamado acelerômetro, que consegue registrar todos os movimentos do corpo. Os pesquisadores então compararam esses dados com as mortes registadas durante oite anos. Conclusão: as pessoas que se exercitaram bastante tinham uma probabilidade cerca de cinco vezes menor de morrer durante o acompanhamento. E até os que se mexiam de maneira moderada apresentavam vantagens: em comparação com quem passava o tempo todo sentado, essa turma corria um risco três vezes menor de morrer.

Os cientistas ressaltam que até atividades como lavar a louça ou limpar o chão já trazem benefícios. Segundo eles, dez minutinhos extras de movimento por dia já fazem a diferença. O importante é quebrar aqueles grandes períodos de inatividade completa



FONTE: mdemulher



www.fisiobeautypilates.com.br

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Dor nas costas? Corrija sua postura em situações do dia a dia




Sedentarismo, obesidade e fumo são alguns hábitos que favorecem as dores na região lombar e na coluna cervical (pescoço). No entanto, a principal vilã desse desconforto é a má postura adotada em diversos momentos do nosso dia.

Hérnia de disco, escoliose e lombalgia são apenas alguns dos problemas decorrentes da postura inadequada. Alguns especialistas, que deram dicas sobre como posicionar sua coluna corretamente em algumas atividades:

No carro
“A postura ideal no carro é sentada com o apoio completo da coluna vertebral”, afirma o ortopedista Luciano Pellegrino, da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Para que isso ocorra, devemos nos sentar com a coluna lombar e os glúteos totalmente apoiados no banco. Segundo a fisioterapeuta Thaís Vasconcelos Coutinho, da clínica Colunar, em São Paulo, o corpo deve ficar o mais próximo de um ângulo de 90 graus, e o encosto da cabeça deve estar alinhado. “Os joelhos precisam estar na mesma altura dos quadris, não podem ficar muito dobrados e devem estar a uma distância em que seja possível alcançar os pés nos pedais”, diz. Os braços no volante não devem ficar muito elevados, pois isso aumenta a tensão nos ombros.

Usando o computador
. “Quando utilizamos o computador no sofá ou cama, com toda certeza não será possível ficar em uma boa postura e provavelmente ao desligar o computador você sentirá dor em alguma parte do corpo”, declara a fisioterapeuta Thaís. Mas a dor não é o maior dos problemas que esse hábito pode causar: além da hérnia de disco, o sujeito estará propenso a desenvolver ou agravar um quadro de escoliose, aumentar a tensão muscular, desalinhamento de vértebras, entre outras situações. Por isso, sempre que usar o computador, esteja sentado. “Primeiro fique em pé e coloque as duas mãos no glúteo, depois passe para a posição sentada ‘empinando o bumbum’ e tire as mãos do glúteo”, conta Thaís. Sua coluna deve estar alinhada, encostada por inteiro na cadeira. “Suas pernas devem formas o ângulo de 90 graus os pés devem estar apoiados no chão, nunca cruzados”, lembra a especialista. Por fim, evite sentar em cima das pernas e mantenha a tela do computador na linha dos olhos, pois se estiver baixo ou alto demais pode aumentar a tensão da musculatura, aumentando o risco de patologias. A altura da mesa e cadeira também é importante, é preciso que sejam reguladas de acordo com sua altura e necessidade. Os braços precisam estar apoiados nos apoiadores da cadeira e os ombros longe das orelhas. O punho deve ficar neutro, pois se estiver apoiado no mouse de forma incorreta pode causar tendinite e outras patologias – uma dica é utilizar um apoio para punho. “Não se esqueça de fazer alongamentos e levantar-se periodicamente.”

Na cama
A postura correta para dormir é muito importante. “De uma forma geral, as melhores posições para dormir são deitado de lado ou deitado sobre as costas”, afirma o ortopedista Luciano. Nessas duas posições as curvaturas fisiológicas da coluna vertebral são mantidas, evitando quadros dolorosos. “Apesar da posição de dormir em decúbito ventral (de bruços) ser a preferida de muitas pessoas, nesse posicionamento existe maior chance de haver contraturas e dores musculares, principalmente na coluna cervical, por não manter adequadamente o alinhamento fisiológico da coluna.” A fisioterapeuta Thaís completa dizendo que o travesseiro não pode ser muito alto, para não aumentar a curvatura da coluna cervical, e nem muito baixo – deve estar na metade do ombro. “Além disso, para a coluna lombar ficar mais neutra na posição de lado, deve ser colocado um travesseiro entre os joelhos e deixar o quadril flexionado próximo a 90 graus.” Se optar por dormir de barriga para cima, não se esqueça de colocar travesseiros ou um rolinho (pode ser improvisado com edredom) embaixo dos joelhos, de modo que sua coluna vertebral fique encostada por inteiro no colchão. Não se esqueça de que além da boa postura para dormir, também precisamos ter uma boa postura ao levantar da cama.

FONTE: www.catracalivre.com.br




terça-feira, 12 de julho de 2016

Melhorar a Diabetes também é Coisa do Pilates



A prática da atividade física é essencial tanto em pacientes diabéticos do Tipo I quanto do Tipo II. Tanto é assim que a Fundação Espanhola de Diabetes destina grandes esforços para promover o esporte entre os pacientes diabéticos e pessoas com predisposição para a doença. Segundo o Dr. José Ramon Calle, especialista em Endocrinologia e Nutrição, os maiores especialistas do mundo assim como as sociedades científicas mais reconhecidas, respaldam a prática da atividade física como parte do tratamento da diabetes.

Como regra geral e salvo exceções, os diabéticos devem praticar exercício diariamente de forma moderada e controlada. A atividade física ajuda a controlar os níveis de açúcar no sangue e a diminuir a quantidade de insulina diária necessária, no caso dos diabéticos Tipo I. O exercício cardiovascular é essencial para prevenir problemas circulatórios, mas sempre tendo em conta que é recomendável não recorrer a exercícios de alto impacto, pois eles podem alterar os níveis de glicose no sangue, causando hipoglicemias. Em muitos casos, os diabéticos sofrem também, como consequência da enfermidade, perigo de provocar lesões e retardo na consolidação de fraturas, de modo que uma reabilitação baseada em exercícios de Pilates poder ser a mais recomendada.

Mas não é só a partir do âmbito da reabilitação que nós, profissionais de Pilates, podemos atuar com essa população. O Pilates pode ser a atividade física ideal para os diabéticos, combinado com algum exercício cardiovascular, como caminhadas diárias de 30 minutos. O Pilates além de proporcionar flexibilidade, controle corporal e treino de todo o corpo, ajuda-nos a criar um equilíbrio entre corpo e mente. Este equilíbrio é muito benéfico para prevenir ou aliviar o stress, e o stress em pessoas diabéticas pode produzir mudanças negativas em seus níveis de glicose.

Tenho um cliente diabético no meu estúdio. O que eu faço?

Para os diabéticos, é muito importante ter controlado o seu nível de açúcar no sangue, por isso antes de começar a trabalhar com um cliente diabético, você deve considerar alguns fatores e conversar com ele ou ela, a fim de adaptar o ritmo de cada sessão de Pilates.

• É importante conhecer o nível de glicose no sangue antes de iniciar uma sessão de Pilates. Se o nível for muito alto, não é recomendável praticar o exercício imediatamente.

• Durante as primeiras sessões, é recomendável realizar sempre um novo teste de glicose após os primeiros 30 minutos. Se a pessoa não está habituada a realizar exercícios, é possível que 30 minutos de prática de Pilates vá lhe causar hipoglicemia, embora isso dependa de cada pessoa e do quanto o seu corpo é habituado a prática de exercícios.

• Após encerrar a sessão, deve-se checar novamente as taxas de glicose no sangue.

• É aconselhável informar a pessoa com diabetes que muitas vezes os níveis de açúcar diminuem após duas horas da prática do exercício físico, então deve-se controlar o açúcar no sangue após esse período a fim de evitar a hipoglicemia pós-exercício.

• Superadas as primeiras sessões, com um controle antes e após a sessão será suficiente.
• Se o seu cliente avisa que seus níveis de glicose estão muito baixos devido ao Pilates, recomende a ele que reveja e compare as taxas de glicose antes e depois das sessões de Pilates, para com orientação médica poder reajustar a medicação.

• Se o resultado é que os níveis de glicose no sangue não variam com a prática de Pilates, ainda assim estará fazendo um grande trabalho de prevenir as possíveis complicações de sua doença.
Meu cliente caiu: e agora?

Quando você tem clientes diabéticos no estúdio de Pilates, você deve reconhecer os sintomas de hipoglicemia e saber como reagir em tempo. Ninguém gosta de desmaiar por falta de açúcar no sangue, por isso, ter cuidado nunca é demais. Este é o nosso guia para detectar a hipoglicemias:

• Pergunte ao seu cliente quais os sintomas que ele costuma ter quando sofre uma baixa de açúcar no sangue e os leve em conta enquanto ele pratica o Pilates.

• Os sintomas mais comuns são palidez, sudorese, alterações da fala (incongruências, confusão ao falar), tonturas, perda temporária da visão e perda de consciência.

• Para tentar reverter o quadro de hipoglicemia, se a pessoa está consciente e é capaz de engolir, o mais rápido e simples é dar-lhe um copo de água com açúcar, uma bebida açucarada ou suco.

15• Se seu cliente desmaiar é possível que ele requeira uma injeção subcutânea de glicose. Pergunte ao seu cliente se ele carrega consigo suas doses de glicose e recomende, para sua segurança e sua tranquilidade, que ele as traga para a aula de Pilates.

Fonte: Revista + q Pilates




segunda-feira, 11 de julho de 2016

Garanta um bumbum firme com o Pilates



O músculo glúteo máximo é extremamente importante e muito explorado na área da estética, porque ele gera um contorno ideal ao bumbum, tão desejado pelas mulheres. Contudo, a sua importância é muito maior do que a aparência estética. A medida que o aluno fortalece os glúteos com o Pilates, eles também são definidos, tornando o bumbum mais delineado e arredondado fascinando as mulheres que sempre buscaram o corpo perfeito.

O método Pilates prioriza e muito esse músculo, porque ele faz parte da famosa estabilidade pélvica. Ou seja, ele gera um equilíbrio na articulação sacro-ilíaco deixando a base que apóia a coluna mais estábel. Consequentemente, uma base em equilíbrio gera uma coluna também em equilíbrio. A coluna vertebral pode ser estabilizada fortalecendo os músculos que a seguram, pois se eles não forem músculos fortes a coluna pode ficar instável.

Dessa forma, o método Pilates possui uma grande gama de exercícios, tanto de solo, quanto de equipamentos, que ativam o glúteo máximo, com o objetivo  de estabilizar o sacro-ilíaco e também fortalecer o músculo do bumbum. Ou seja, em uma mesma aula o aluno consegue garantir a saúde da coluna e também definir esteticamente o bumbum.

O tempo de hipertrofia/definição e fortalecimento depende do tempo de treinamento, mas se imaginarmos um treino duas vezes por semana, depois de 4 meses é possível obter um retorno visual do bumbum e também de estabilidade na articulação sacro-ilíaca.

Fonte: Fisiociência




www.fisiobeautypilates.com.br

domingo, 10 de julho de 2016

Pilates gera hipertrofia muscular?




O músculo é m órgão secretor hormonal capaz de produzir fatores de crescimento hormonal como o IGF e MGF (insuline e mechanic grow factor) quando submetido à contração submáxima, gerando assim a ativação de células satélites musculares que através de processos moleculares promovem a síntese proteica, o que gera aumento do volume muscular o qual definimos como hipertrofia (Coutinho et. al. 2005, 2006).

Pilates e o caminho para a hipertrofia

Os exercícios desenvolvidos no método Pilates consideram duas características cinesiológicas e funcionais esseciais no rpocesso de ganho de trofismo. A primeira característica do método é a realização de padrões motores em aplitude máxima, o que sugere a estimulação mecânica na junção miotendínea e o que gera a produção de fatores de crescimento muscular longitudinal (NOs), promovendo o que chamamos de hipertrofia longitudinal. A segunda característica é a realização de contrações submáximas as quais devem estimular a produção de MGF promovendo a hipertrofia radial desta forma teremos provavelmente o que denominamos de HIPERTROFIA ORGANIZADA.

Qualquer pessoa poderá desenvolver hipertrofia decorrente do método Pilates, contudo, quanto mais velha a pessoa, menor sua capacidade de gerar síntese de proteína muscular, devido a uma série de alterações hormonais decorrente do processo de envelhecimento. No entanto, se praticado corretamente, o método é capaz de gerar contrações submáximas no músculo que responderá com a produção de MGF. Não importa a idade, o músculo responde.

A grande vantagem deste método é que todos os exercícios são indicados para o que chamamos de hipetrofia organizada, não só força, mas equilíbrio neuro muscular será gerado, musculos fortes, flexíveis e jovens aos 20 ou as 80 anos.

Fonte: Baseado no texto da Fisiociência



sábado, 9 de julho de 2016

Pilates contra a obesidade



O Método Pilates pode auxiliar no controle e na diminuição do peso corporal



Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), 56% da população sofre com excesso de peso e 13% dela está obesa no Brasil. Ou seja, mais da metade da população brasileira está acima do peso.

O Pilates pode ajudar nesta causa, pois quem o pratica também queima calorias. Em uma aula iniciante, a média de gasto calórico do praticante é de quase 200 calorias, segundo estudo publicado na Revista Científica ENAF. Numa aula mais avançada, o praticante pode gastar até 500 calorias.

Claro que não é somente este o foco do método, visto que ele auxilia de diversas maneiras: diminui a ansiedade, causando um maior controle sobre a reeducação alimentar; aumenta a autoestima, proporcionando ao praticante mais vontade de cuidar de si mesmo; aumenta o percentual de massa magra e consequentemente o praticante gasta mais calorias mesmo em repouso; protege as articulações para o exercício aeróbico mais intenso; proporciona mais disposição, relaxamento e concentração para outras atividades de vida diária.

Sabemos que a obesidade não interfere apenas na estética, mas na saúde geral do indivíduo. A obesidade e o sedentarismo são fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas. Para que esse indivíduo tenha sucesso na busca por uma vida melhor, ele deve associar a prática de Pilates com reeducação alimentar e atividade aeróbica, como caminhada, natação, corrida, bicicleta. Para realizar estes exercícios, é importante que sua musculatura e articulações estejam preparadas e é aí que entra o Pilates, arrumando o corpo para uma nova fase mais saudável.

Inicialmente, é importante trabalhar a consciência corporal, onde o aluno irá redescobrir seu próprio corpo; identificar pontos fortes e fracos e encontrar seu equilíbrio; possibilitar o fortalecimento global, principalmente dos músculos que auxiliam na manutenção de uma boa postura, como abdominais e paravertebrais; alongar; estimular a mobilidade articular; além de realizar alinhamento postural.

Desta forma, com o decorrer das aulas, o aluno vai percebendo as mudanças de hábito e comprovando os benefícios do método em sua rotina, desenvolvendo o prazer pela atividade física e compromisso com seu bem estar e qualidade de vida.

O Pilates, sem dúvida, veio para ficar e auxiliar a população brasileira na busca por um estilo de vida mais saudável. Portanto, ninguém deve ficar de fora de uma boa aula. É só se divertir e aproveitar os benefícios do método, desde que, sempre acompanhado de um profissional altamente competente e habilitado.

 Fonte: Revista + que Pilates


Agende já uma sessão experimental pelo telefone ou what's up 81818384.
Atendimentos personalizados com fisioterapeuta.
Realizamos avaliação postural de todos nossos alunos, trabalho direcionado para as suas necessidades e objetivos, experimente!



www.fisiobeautypilates.com.br