segunda-feira, 27 de março de 2017

Pilates evita as fraturas e eventuais lesões provocadas por quedas




Quando ouvimos a palavra fratura, logo pensamos em acidentes ou quedas. Acidentes, todos estão sujeitos e muitas vezes não há como evitar. Mas, se estivermos em dia com nossa saúde física, podemos minimizar o problema das quedas e até mesmo evitá-las.

As causas de uma queda podem estar relacionadas ao ambiente externo – calçada inadequada, iluminação, tapetes, localização dos móveis – ou à própria pessoa que possivelmente esteja frágil em algum aspecto – com alterações sensitivas (visual, audição, tato, equilíbrio), perda de força muscular ou alterações cardíacas e vasculares graves.

É importante pensar nos fatores que ajudam o indivíduo a ter maior controle corporal para evitar uma fratura. São eles: equilíbrio, consciência corporal, flexibilidade, força, coordenação motora e concentração.

O método Pilates aborda todos esses fatores de forma segura. Por meio do equilíbrio, é possível se posicionar melhor no espaço e vencer obstáculos físicos com mais facilidade. A consciência corporal proporciona mais domínio sobre os movimentos e controle durante suas ações. A flexibilidade torna os movimentos mais elegantes e organizados, minimizando o gasto energético, fazendo com que o aluno se mova com mais fluidez. A força muscular estabiliza e sustenta todo o corpo, oferecendo novas possibilidades de posições e defesas durante um movimento brusco que possa levar a algum tipo de lesão. A coordenação motora possibilita maior independência ao aluno, já que ele atinge total controle corporal diante de seus movimentos.

Já a concentração une todos os elementos necessários para uma boa saúde física e mental. É concentrado que o aluno aprende e é concentrado que ele realiza movimentos precisos, sempre buscando a segurança e minimizando qualquer possibilidade de quedas que possam levar a algo mais grave como uma fratura e a imobilidade física.

O Pilates possui diversos exercícios, que se feitos com regularidade, podem ajudar na prevenção de quedas, torções e consequentemente, fraturas. Os exercícios de propriocepção são excelentes aliados na busca de um corpo mais seguro. Esse tipo de treinamento estimula a musculatura que estabiliza as articulações, tornando essa região mais forte e pronta para se defender durante movimentos inesperados.

O importante é trabalhar de forma global, assim o aluno adquire um corpo uniformemente saudável e estável que lhe dê segurança e que não lhe deixe na mão com fraturas ou outras lesões.

 Fonte: Revista mais que Pilates Por: Maria Militão



www.fisiobeautypilates.com.br

quinta-feira, 23 de março de 2017

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES E SUA APLICAÇÃO NA REABILITAÇÃO



A constatação de que o número de praticantes de Pilates tem aumentado muito nas últimas décadas só vem incentivar e respaldar a necessidade do embasamento científico aos profissionais que atuam nessa
área (ROSA; LIMA, 2009). Lamentavelmente, o aumento do número de praticantes do método não
vem acompanhado com o concomitante desenvolvimento da pesquisa (VITI; LUCARELI, sd). Existe escassez de evidências científicas acerca dessa modalidade terapêutica, tanto com aplicação na Fisioterapia, como com abordagem cinesiológica, fisiológica e/ou biomecânica (SILVA et al, 2009; BERTOLLA et al, 2007; LATEY, 2001; GALLAGHER; KRYZANOWSKA, 2000). 

Através deste estudo, foi realizada uma revisão de literatura sobre o Método Pilates, seus benefícios e sua aplicação na reabilitação da saúde, baseado em evidências científicas. A literatura aponta como vantagens do método Pilates: estimular a circulação, melhorar o condicionamento físico, a flexibilidade, o alongamento e o alinhamento postural. Pode melhorar os níveis de consciência corporal e a coordenação motora. Tais benefícios ajudariam a prevenir lesões e proporcionar um alívio de dores crônicas (SACCO et al, 2005; BLUM, 2002; MUSCOLINO; CIPRIANI, 2004a; SEGAL, 2004; ANDERSON; SPECTOR, 2000; BERTOLLA et al, 2007; FERREIRA et al, 2007; KOLYNIAK; CAVALCANTI; AOKI, 2004; APARÍCIO; PÉREZ, 2005). 

Segundo Joseph Pilates, os benefícios do método Pilates só dependem da execução dos exercícios com fidelidade aos seus princípios (CAMARÃO, 2004; MENDONÇA; SILVA; SACCO et al, 2005; PIRES; SÁ, 2005; BERTOLLA et al, 2007). Busca-se promover o alongamento ou relaxamento de músculos encurtados ou tensionados demasiadamente e o fortalecimento ou aumento do tônus daqueles que estão estirados ou enfraquecidos. Portanto, diminuem-se os desequilíbrios musculares que ocorrem entre agonistas e antagonistas e são responsáveis por certos desvios posturais e problemas ortopédicos e reumatológicos. Por se tratar de uma atividade que não impõe desgaste articular e cujo número de repetições de cada exercício é reduzido, promove-se a prevenção e/ou tratamento de certas patologias, especialmente as ocupacionais (RODRIGUES, 2006).

A técnica Pilates apresenta muitas variações de exercícios e pode ser realizada por pessoas que buscam alguma atividade física, por indivíduos que apresentam alguma patologia em que a reabilitação é necessária, como desordens neurológicas, dores crônicas, problemas ortopédicos e distúrbios da coluna vertebral (BLUM, 2002; KOLYNIAK; CAVALCANTI; AOKI, 2004; VAD; MACKENZIE; ROOT, 2003; LATEY, 2001; SACCO et al, 2005; MENDONÇA; SILVA, sd). Muitos dos pequenos movimentos terapêuticos desenvolvidos para ajudar pessoas que se recuperam de lesões podem ser intensificados para desafiar atletas experientes, a fim de melhorar sua performance (CAMARÃO, 2004). Assim, torna-se indispensável que o fisioterapeuta tenha amplo conhecimento da técnica e da patologia em questão (MENDONÇA; SILVA, sd; MIRANDA; MORAIS, 2009). Conforme Curi (2009), “no Pilates bem orientado por um profissional habilitado, é praticamente inexistente a possibilidade de lesões ou dores musculares, pois o impacto é zero”. O pilates pretende criar hábitos saudáveis que perdurem por toda a vida. Com sua prática, as pessoas aprendem a manter uma postura correta em diversas situações do cotidiano, como sentar, andar e agachar (MARIN, 2009).

A flexibilidade é a amplitude de movimento disponível em uma articulação ou grupo de articulações (MIRANDA; MORAIS, 2009; BERTOLLA et al, 2007; SACCO et al, 2005). É a capacidade de alongamento das estruturas que compõem os tecidos moles (músculos, tendões, tecido conjuntivo) através da amplitude de movimento articular disponível. O músculo é o maior contribuinte à amplitude de movimento das articulações (TREVISOL; SILVA, 2009). Segundo Sacco e colaboradores (2005), em pessoas com patologias, a amplitude articular pode ser agravada por processos inflamatórios, redução da quantidade de líquido sinovial, presença de corpos estranhos na articulação e lesões cartilaginosas. Dessa forma, pode haver movimentos compensatórios de outras articulações, sendo que a limitação pode prejudicar o desempenho esportivo, laboral ou de atividades da vida diária (BERTOLLA et al, 2007; SACCO et al, 2005). 

A falta de flexibilidade é um fator limitante ao desempenho esportivo e aumenta as chances de lesões tais como as distensões musculares, porém, a flexibilidade excessiva pode provocar instabilidade articular gerando entorses articulares, osteoartrite e dores articulares (BERTOLLA et al, 2007). A promoção de maiores níveis de flexibilidade ocorre pelo emprego sistematizado de estímulos denominados alongamentos, que são solicitações de aumento da extensibilidade do músculo e de outras estruturas, mantidas por um determinado tempo (MIRANDA; MORAIS, 2009). O alongamento é categorizado baseado na forma como o movimento é executado, estática ou dinamicamente, sendo o alongamento estático simples o meio mais popular para aumentar flexibilidade. O alongamento também é categorizado baseado na forma como o movimento é alcançado, de forma ativa ou passiva, ou se o movimento é alcançado por tensão de músculo agonista ou por inércia, gravidade, ou ambos (TREVISOL; SILVA, 2009).

Vários estudos discutem as diferentes formas de alongamento, comparando sua eficácia. No método Pilates elas são realizadas concomitantemente (ativo, passivo, estático, dinâmico) e, provavelmente, seus efeitos se somam. O alongamento ativo aumenta a flexibilidade dos músculos encurtados enquanto, concomitantemente, melhora a função dos músculos antagonistas, resultando em trauma de tecido diminuído (TREVISOL; SILVA, 2009). O estudo realizado por Segal, Hein e Basford (2004) avaliou 47 pessoas quanto à flexibilidade, composição corporal e percepção de saúde. Foram realizados exercícios básicos de Pilates, uma vez por semana, durante dois meses. A flexibilidade foi avaliada pelo teste conhecido como "distância dedo chão”, com média de aumento de 4,1cm. Segundo os autores, embora muitas das variáveis não tenham modificado consideravelmente e devem ser alvo de mais pesquisas, o Pilates mostrou-se eficaz para o incremento da flexibilidade. 

Bertolla e colaboradores (2007) estudaram os efeitos de dois programas para ganho de flexibilidade em 11 atletas juvenis de futsal do Rio Grande do Sul. Para tal, utilizaram exercícios de solo do método Pilates em sessões de 25 minutos com freqüência de três vezes por semana durante quatro semanas. A
análise de flexibilidade foi feita através do teste no banco de Wells (sentar e alcançar). Este estudo mostrou aumento significativo da flexibilidade dos atletas. Os indivíduos participantes do estudo de Trevisol e Silva (2009) foram selecionados aleatoriamente no VITTALIS Studio Pilates, Joinville-SC, no período de março a junho de 2006. A amostra foi composta por 18 indivíduos voluntários, do gênero feminino, com idade média de 26,11 ± 5,48 anos, eram iniciantes no método Pilates e não realizavam outro tipo de treinamento físico. O objetivo foi verificar alterações na flexibilidade aguda da musculatura isquiotibial, através de testes de amplitude de movimento, pré e pós-aula do método Pilates. Observou-se que o método foi eficaz para promover aumento agudo na flexibilidade da musculatura isquiotibial. Outro estudo verificou os efeitos do método Pilates sobre a flexibilidade de 20 mulheres com idade média de 34 anos e que nunca haviam praticado a modalidade. Para tal, foi utilizado o Protocolo do Banco de Wells antes e após 32 sessões. O ganho de flexibilidade obtido após as sessões foi de 11,74cm. As alunas também relataram melhora aparente na postura corporal (BARRA; ARAÚJO, 2007).

Dois casos foram estudados com o objetivo de investigar o aumento da resistência física e a melhora da flexibilidade utilizando como recurso somente o método Pilates. As voluntárias foram submetidas a dois testes: flexão de tronco no banco de Wells e teste de esforço em esteira. Durante o período de investigação, as alunas realizaram 24 aulas de forma individualizada. Na reavaliação, foi mostrado que as alunas tiveram uma melhora de 46% em relação à resistência física e a freqüência cardíaca de ambas mostrou-se menor. Com relação à flexibilidade, a média da melhora é de 91%. Com estes fatos, evidenciam-se os benefícios propostos pelo método (CURCI, 2006). A pesquisa realizada sobre os efeitos da intervenção do Pilates sobre a postura e a flexibilidade em mulheres sedentárias, demonstrou que, após a realização das 20 aulas, ocorreu uma melhora no alinhamento postural com relação ao fio de prumo, nos diversos pontos observados e um aumento na amplitude de movimento dos músculos isquiotibiais e iliopsoas (QUADROS; FURLANETTO, sd).

Para avaliar a influência do Método Pilates na flexibilidade de mulheres adultas, Prado; Haas (2006) realizaram um estudo cuja amostra era composta por 10 mulheres, com idade média de 42,5 ± 16,01 anos, que praticaram duas sessões semanais, num período de oito meses. Avaliou-se a flexibilidade de
membros inferiores, superiores e tronco. Os autores concluíram que a maioria das participantes mostrou-se corporalmente mais flexível. A boa flexibilidade na coluna lombar, bem como, na musculatura isquiotibial parece estar associada à menor incidência de lesões lombares crônicas. As restrições impostas por estes encurtamentos podem resultar em lesões músculo-esqueléticas e dificuldades nas atividades de vida diária (ROSA; LIMA, 2009; QUADROS; FURLANETTO, sd). A incapacidade de estabilização da coluna vertebral causada pelo desequilíbrio entre a função dos músculos extensores e flexores do tronco é outro forte indício para o desenvolvimento de distúrbios da coluna lombar (KOLYNIAK; CAVALCANTI; AOKI, 2004). Kolyniak, Cavalcanti e Aoki (2004) avaliaram o efeito do Método Pilates sobre a função de extensores e flexores do tronco de 20 pessoas com habilidade para executar os exercícios do nível intermediário-avançado, que completaram 25 sessões, com duração de 45 minutos, durante 12 semanas. Constataram que o Método Pilates mostrou-se uma eficiente ferramenta para o fortalecimento da musculatura extensora do tronco, atenuando o desequilíbrio entre esses grupos musculares.

Em outro estudo, pacientes que apresentavam lombalgia foram divididos em dois grupos, um realizava exercícios do método Pilates e o outro, exercícios convencionais; sendo monitorada a intensidade da dor e o escore de disfunção através de um questionário. Após o tratamento, a intensidade da dor era menor no grupo que realizou Pilates, levando os autores a concluir que os exercícios baseados no Pilates são mais eficazes que os usualmente utilizados no tratamento da lombalgia (RYDEARD; LEGER; SMITH, 2006). Um estudo experimental avaliou a eficácia do método Pilates para o alívio de dor lombar em pacientes com protusão discal (VAD; MACKENZIE; ROOT, 2003). Participaram 50 sujeitos divididos em dois grupos: um realizou os exercícios do método Pilates e Yoga medicinal fazendo uso de medicamentos analgésicos e o outro somente realizou tratamento medicamentoso. Observou-se que um programa de exercícios, bem elaborado, para pacientes com problemas em discos intervertebrais pode diminuir a protusão no disco, enquanto restaura a flexibilidade, força, endurance,
estabilidade e postura, com resultados superiores ao tratamento medicamentoso e com menor recorrência da dor lombar. Em um estudo de caso, Blum (2002) utilizou o método Pilates e a quiropraxia para tratar um adulto com escoliose severa. Os resultados demonstraram que a aplicação do Pilates em paciente com escoliose idiopática é uma ferramenta eficaz no combate à progressão da escoliose, que apresentou melhora na função e diminuição da dor.

Para a reeducação postural algumas técnicas baseadas na cinesioterapia são utilizadas, entre elas o método Pilates (SACCO et al, 2005; BLUM, 2002; KOLYNIAK; CAVALCANTI; AOKI, 2004; SEGAL; HEIN; BASFORD, 2004; MUSCOLINO; CIPRIANI, 2004a; LANGE et al, 2000). Gómez e García (2009) afirmam que o Pilates é uma das técnicas mais eficazes na reeducação postural. A postura corporal é estabelecida por estruturas músculo-esqueléticas que interagem entre si durante toda a vida; em longo prazo, estas podem evoluir para processos crônicos que causam dor e podem limitar o indivíduo para a prática de atividade física e laboral (QUADROS; FURLANETTO, sd; MENDONÇA; SILVA, sd). Viti e Lucareli (sd) realizaram uma avaliação postural, antes e após um programa de 75 horas/aulas do método Pilates, envolvendo 12 fisioterapeutas e educadores físicos, com idade entre 23 e 45 anos. As aulas eram realizadas em dias alternados com duração de 55 minutos. Os resultados mostraram que não houve mudança significativa na postura dos indivíduos avaliados. Os autores justificaram tais resultados pelo fato das atividades serem em grupo, sugerindo que os exercícios fossem individualizados e também porque as formações acadêmicas já haviam construído um esquema de consciência corporal e os exercícios básicos tornaram-se muito fáceis para os praticantes. 

Outra pesquisa verificou os efeitos do Método Pilates no alinhamento postural de cinco indivíduos com idade entre 50 e 66 anos. Foram 36 aulas com 1 hora de duração realizadas 3 vezes por semana. Ao final do trabalho, observou-se que o alinhamento postural de várias partes do corpo apresentou uma ligeira melhora e as dores apresentaram uma diminuição considerável (NUNES et al, 2008). No estudo de Curi (2009), a amostra foi composta 100% por mulheres com mais de 65 anos, estas com idades entre 65 a 74 anos. Após um período de doze semanas de treinamento, houve uma diminuição significativa do tempo para a realização das atividades de vida diária dos idosos. Quando aplicado na população idosa, o Pilates melhora a força e a mobilidade, que geralmente estão alteradas devido à presença de doenças degenerativas, como a artrite. O Pilates também auxilia na manutenção da pressão arterial, além de influenciar na calcificação óssea. Estes benefícios foram encontrados por Kopitzke (2007), que através da aplicação do método, aliada ao uso de medicação apropriada, conseguiu alterar o diagnóstico de uma paciente de osteoporose para osteopenia, após um ano de tratamento. Outra indicação para o uso do Pilates como forma de reabilitação foi pesquisada por Levine e colaboradores (2007). Segundo este estudo, o Pilates pode ser usado tanto no período pré-operatório quanto no pós-operatório de artroplastia de quadril e joelho. No pré-operatório, o método ajuda a aumentar força, mobilidade e amplitude de movimento da articulação acometida e das adjacentes, maximizando a função e a flexibilidade. Após artroplastia total de quadril ou joelho, o método foi utilizado com os mesmos objetivos do período pré-operatório. De acordo com o estudo, o Pilates foi eficaz nessa população por permitir exercícios precoces e que respeitassem os limites de movimentação, como também auxiliar no aumento de resistência dos músculos adjacentes. Nos pacientes que foram submetidos à artroplastia total do quadril, os autores aconselham que a flexão de quadril seja limitada a 90º, a adução não ultrapasse a linha mediana e a rotação interna seja mínima.

Considerações Finais 

O Método Pilates pode ser uma ferramenta eficaz para o fisioterapeuta na reabilitação, apresentando benefícios variados, quando aplicado de acordo com seus princípios, e poucas contra-indicações, além do seu uso voltado ao fitness. A maioria das contra-indicações não impede a aplicação do método, apenas exige algumas alterações e cuidados, enfatizando que o método seja individualizado. As indicações são muitas e variadas, podendo ser aplicado em populações especiais – como gestantes idosos e atletas - e também em vários problemas ortopédicos. Segundo diversos estudos, os resultados do Método Pilates, no que compete ao tratamento de desvios posturais e distúrbios osteomioligamentares, têm sido satisfatórios. Há carência de estudos sobre o método, em diferentes aplicações, sendo necessária maior ênfase em pesquisas na área, utilizando amostras maiores. 

Fonte: Artigo de Revisão Instituto Salus, maio-junho 2011



quarta-feira, 22 de março de 2017

Como tratar e prevenir a artrose de joelho com o método Pilates e viver sem dor




Artrose é um processo degenerativo da cartilagem do joelho levando a dor, inchaço e muitas vezes a incapacidade funcional do joelho. Essa patologia aparece geralmente após os 65 anos, mas pode se manisfestar precocemente dependendo de alguns fatores como: sobrepeso, atividade profissional e sedentarismo.

Na fase inicial da doença o paciente apresenta dor, geralmente ao final do dia e discreto inchaço na articulação. Nessa fase, é muito importante a reabilitação motora, com o objetivo de diminuir o edema (inchaço) diminuir sobrecarga articular e dar suporte muscular.

O tratamento com o método Pilates  deverá ser feito pelo fisioterapeuta que irá trabalhar o suporte muscular, diminuição da sobrecarga, estabilização e aumento do espaço intra-articular. Além do tratamento é muito importante que o paciente tenha a redução do peso e acompanhamento médico, caso seja necessário suporte medicamentoso para retardar o processo de degeneração cartilaginosa.

Os exercícios de Pilates tem como objetivo trabalhar toda as cadeias musculares do joelho, de forma funcional, dando preferência aos exercícios de cadeia cinética fechada, tanto para fortalecer o quadríceps, quanto para alongar o mesmo, diminuindo assim a sobrecarga patelo-femural, a compressão femoro-tibial, assim como fortalecer os isquiotibiais para dar suporte tanto estático, quanto dinâmico do joelho.

O método Pilates não tratar apenas foco da dor no joelho mas todo o aspecto músculo esquelético que compromete articulação do joelho, assim, é necessário ter um olhar global . O Pilates terá um olhar voltado para todo o eixo do corpo promovendo a organização da coluna, da pelve, do tornozelo e toda a postura que influencia na dinâmica do joelho.

O método Pilates trabalhar não só as articulação comprometida mas todo indivíduo pois, tratar de forma focal poderá ser o olhar inicial mas o programa de tratamento  deverá ser global e dessa forma, o Pilates não só trata a fase aguda e crônica mas, prevenirá maiores complicações devolvendo a qualidade de vida ao indivíduo Por toda a vida.

Fonte: Fisiociência


terça-feira, 21 de março de 2017

REABILITAÇÃO DE LER E DORT ATRAVÉS DO PILATES



Hoje vamos falar sobre o ombro, uma das articulações mais acometidas por LER e DORT.

Conceitos LER e DORT:

LER: Lesões por esforços repetitivos

DORT: Doenças Osteomusculares relacionadas ao trabalho

Mas antes de falar sobre estas patologias, vamos rever a anatomia desta articulação.

Funcionalidade do ombro



A articulação do ombro é composta por componentes passivos: ossos, ligamentos, cápsula articular e líquido sinovial; e componentes ativos: músculos e tendões.

Como podemos observar abaixo, os músculos de ação na articulação do ombro se inserem e originam na região cervical, escápula, costelas, coluna torácica, coluna lombar e pelve. Logo, a funcionalidade da articulação do ombro poderá sofrer influência destas demais articulações devido alterações musculoesqueléticas e posturais.





O ombro tem função primordial de mobilidade, assim é necessário manter uma boa amplitude de movimento na flexão, extensão, adução, abdução, rotação interna e externa que acontecem respectivamente nos planos sagital, frontal e transversal.

Primeiramente para ter boa função nesta articulação é necessário que se tenha uma ativação eficaz da musculatura estabilizadora do centro de força (powerhouse) e a manutenção da postura.

Por isso, para manter boa mobilidade é preciso que as demais articulações estejam cumprindo seu papel funcional, ou seja, que a cervical seja estável, a escápula mantenha seu ritmo escapular, a torácica apresente mobilidade e a região lombo pélvica, estabilidade.

Assim, a musculatura que envolve estas articulações apresentará ativação eficaz do sistema musculoesquelético apresentando força concêntrica, isométrica e excêntrica, essenciais aos movimentos de atividades diárias e laborais.

LER e DORT na Articulação do Ombro

LER e DORT acometem cada vez mais pessoas no mundo inteiro. Estas lesões podem ocorrer devido a fatores externos, como: falta de ergonomia nos ambientes de trabalho, uso excessivo de aparelhos eletrônicos, manuseio de máquinas de grande produção, e trabalhos manuais repetitivos; ou fatores internos: alterações posturais, alterações na biomecânica do movimento, déficit de força muscular, alongamento e flexibilidade.

Como o profissional do Movimento pode auxiliar?

O primeiro passo para auxiliar no tratamento destas patologias é identificar o causador da lesão, desequilíbrios musculares presentes, postura inadequada, ergonomia do ambiente de trabalho, e assim orientar o indivíduo acerca de sua postura, auxiliar a realizar modificações ergonômicas durante o expediente, como usar seu corpo a seu favor otimizando movimentos e minimizando o estresse articular e muscular.

Como o Pilates pode auxiliar?

O Pilates pode ser um grande aliado na reabilitação, já que entre outros benefícios promove consciência corporal, melhora da postura, força, resistência muscular, flexibilidade, mobilidade, melhora a congruência articular, a circulação e o trabalho da fáscia muscular, além de prevenir demais patologias.

Alterações musculares e miofásciais presentes

Além de todas as alterações presentes já citadas acima, ainda podemos destacar a presença de trigger points na região de trapézio, deltoide, tríceps e bíceps acentuando a dor ombro.

Nestes casos, os músculos podem estar fracos e tensos, ou até mesmo fortes e tensos. Desta forma, o músculo acometido por trigger point irá realizar uma ativação ineficaz, comprometendo toda a biomecânica do movimento.

O trabalho de consciência corporal, fortalecimento e alongamento promovidos pelo Pilates será muito eficaz nestes casos, no entanto é preciso desativar estes trigger points e isto só será possível através de técnicas de massagem, terapia manual e liberação miofáscial. Porém, é preciso cuido, pois muitas vezes o trigger point pode estar estabilizando a articulação onde o músculo encontra-se fraco. O que se pode fazer é que as técnicas para desativar o trigger point sejam realizadas ao final do atendimento.

Fonte: Revista Pilates




segunda-feira, 20 de março de 2017

Dores posturais: como reconhecer e aliviar




O termo não parece tão usual, mas as dores posturais surgem com frequência na população e podem causar extrema fadiga local até a limitação pessoal de certas atividades corriqueiras.

DORES POSTURAIS SÃO CONSEQUÊNCIA DE PATOLOGIAS?

As dores posturais – como a própria denominação evidencia – estão mais associadas ao descuido com a postura durante as principais atividades realizadas pelo indivíduo. Mas também podem decorrer de algum problema mais sério na coluna vertebral, por exemplo.

Se você não adota uma postura correta no dia a dia, quer seja em casa, no trabalho, no lazer ou durante a prática de atividades de rotina (como dirigir) é bem provável que o mau hábito seja responsável pelo surgimento de desvios anormais na coluna.

Em sua estrutura, a coluna vertebral apresenta curvaturas consideradas fisiológicas, a saber: Lordose/cervical (convexa ventralmente); Cifose/torácica (côncava ventralmente); Lordose/lombar (convexa ventralmente); Cifose/pélvica (côncava ventralmente). Dentre as principais funções inerentes à coluna, podemos mencionar o suporte do peso do corpo; a proteção da medula espinhal e dos nervos espinhais; a promoção de maior flexibilidade ao corpo e também o papel fundamental na locomoção e na postura.

O problema surge quando ocorre um aumento desproporcional das curvas (normais) já existentes, gerando a hiperlordose ou a hipercifose, por exemplo ou ainda fazendo com que as curvaturas fiquem pouco evidenciadas (neste caso a coluna é reta).

DESVIOS E DORES POSTURAIS

Os desvios posturais, por sua vez, podem levar ao uso incorreto de outras articulações, como ombros, braços, quadris, joelhos e pés. Isso ocorre porque diante do desequilíbrio postural o corpo buscará, naturalmente, compensações a fim de manter o indivíduo em equilíbrio (o que, normalmente, também pode causar enrijecimento e encurtamento dos músculos). Além disso, os desvios posturais poderão acarretar, com o passar do tempo, pressão entre as vértebras, gerando as dores.

CUIDADOS PARA EVITAR AS DORES POSTURAIS

Existe uma postura correta para qualquer movimento que realizemos, inclusive, quando estamos em posição estática. Com a correria do dia a dia, nem sempre é possível obedecer a todas as regras, mas ainda assim podemos adotar o máximo de cuidado para não sobrecarregar os nossos músculos e articulações.

Manter a postura correta não é importante, apenas, para a boa aparência, alterações posturais desde a infância, por exemplo, já predispõem problemas na vida adulta. Daí a necessidade de prevenir hábitos incorretos de postura. Veja:

– Se você trabalha por muitas horas na mesma posição (seja ela sentada ou em pé), procure realizar alongamentos periódicos sempre que puder; levante-se e/ou caminhe um pouco nem que seja para tomar uma água ou o famoso cafezinho e procure obedecer às regras básicas de ergonomia em seu ambiente de trabalho.

– A prática de atividades físicas é bastante recomendada. Um exemplo é o Pilates, método de treinamento indicado para qualquer pessoa: tanto para quem deseja fortalecer a musculatura, quanto para quem tem sérios problemas de coluna. A técnica consegue, com seus equipamentos e atendimento personalizado, promover a melhora considerável dos pacientes. O resultado se torna eficaz porque o Pilates trabalha com a estabilização da coluna, que é o fortalecimento dos músculos profundos, responsáveis por manter as vértebras e seus componentes articulares na posição correta e, dessa forma, os exercícios ajudam a evitar diferentes problemas como: hérnias de disco, espondilólise, protrusão discal e os desvios posturais.

- RPG - Reeducação Postural Global, Essa técnica de tratamento é muito efetiva para tratar dores e desvios posturais, trabalhando diretamente a musculatura tônica que é responsável pela manutenção da nossa postura, promovendo o realinhamento correto do corpo de uma maneira mais harmônica.

- Na nossa clinica Fisiobeauty indicamos um tratamento em conjunto Pilates + RPG, uma técnica complementando a outra. O indicado é realizar o Pilates 2x por semana e RPG 1x por semana,

– Cuidar do peso corporal é também uma atitude indispensável se você deseja evitar as dores posturais. O excesso de peso prejudica a manutenção de uma postura correta. Por isso, invista em uma alimentação saudável e equilibrada!




sexta-feira, 17 de março de 2017

Clara Pilates e o feminino no método Pilates




Atualmente o método Pilates é reconhecido e praticado mundialmente e todos reconhecem seu criador, Joseph Pilates, mas poucos sabem  a influência de uma figura fundamental no método: Clara Pilates.

Anna Klara Zeuner, ou, Clara Pilates, é conhecida como esposa de Joseph, porém, antes de conhecê-lo, ela atuava como professora primária e enfermeira na Alemanha. Era uma profissional da saúde que acreditava no exercício físico para manter o corpo saudável, portanto possuía uma mente aberta para sua época e que deve ter presenciado as agruras da Primeira Guerra Mundial e suas consequências nos soldados que retornaram incapacitados da guerra de trincheiras. Em 1926 decidiu viajar para os USA e nessa viagem de navio conheceu Joseph Pilates, que se tornou o amor da sua vida e seu companheiro de profissão. Nessa viagem, Joseph apresenta a Clara a metodologia que vinha desenvolvendo e obtido sucesso na preparação física de bailarinos na Alemanha como Mary Wigman, seus estudos com Rudolph Laban e sua experiência no hospital da ilha de Mann enquanto era prisioneiro de guerra. Juntos eles decidiram abrir um estúdio em Nova Yorque  para propagar a metodologia pela  qual ela se apaixonou : a Contrologia.

As funções de Clara Pilates dentro do estúdio era diversificada: além de dar aulas ela também  administrava e o mais importante: anotava as sessões que Joseph Pilates ministrava aos seus alunos. Ela guardou e catalogou todas as fotos, videos e anotações e fazia registros diários de tudo que ele criava, ajudando -o a organizar a sua pesquisa.  De acordo com Mary Bowen, aluna de Joseph e Clara, ambos eram igualmente talentosos “Pilates era inventivo, extravagante e otimista. Ela por sua vez era a retaguarda, segura, a base de sustentação de Joe”

Existem estórias de que Pilates não era um professor muito bom e sim um inventor e um inovador sem precedentes, mas que não impressionava com suas habilidades de comunicação e que Clara era a verdadeira instrutora no estúdio. Seu toque e voz suave são lembrados até hoje por seus alunos dedicados.

Clara foi quem continuou a propagar o método depois do falecimento de Joseph Pilates em 1967 e quem incentivou os discípulos de Joseph a ensinar. Foi justamente nessa época que Ron Fletcher retorna a Nova Yorque e volta a ter aulas com Clara Pilates que o ensina a trabalhar “de forma mais lenta para sentir cada peça de movimento a mover o corpo por dentro e a trabalhar com as máquinas, parceiras no trabalho, e não nas máquinas” – nas palavras de Ron Fletcher. Foi a partir do incentivo de Clara Pilates   que surgiu a  a vontade de Ron Fletcher  abrir seu próprio estúdio na costa oeste dos USA, o que proporcionou o “boom” do método Pilates nos USA. Enquanto Ron Fletcher ensinava na costa oeste, Romana Kryzanowska atuava na costa leste ao lado de Clara e foi quem permaneceu ensinando após sua morte em 1976 aos 93 anos de idade.

É interessante perceber a influência das mulheres no trabalho de Joseph Pilates: Clara, sua parceira, incentivadora , os discípulos que continuaram seu trabalho foram basicamente mulheres como Romana Kryzanowska, Carola Trier, Kathy Stanford-Grant,  Eve Gentry e também como ele trabalhou desenvolvendo estruturas para as diversas necessidades na vida de uma mulher: no pós parto, na recuperação de um mastectomia como no caso da Eve Gentry ou na preparação física para a dança como no caso de Kath Grant. Por tudo isso o  público que pratica o  método Pilates se tornou majoritariamente feminino pois observa-se os benefícios com respeito a algumas alterações que tem maior incidência em mulheres como a  osteoporose, lesões de joelho e quadril, recuperação de câncer de mama e também por ser um ótimo método de condicionamento físico com baixo impacto, propicio para a gestação e fundamental no pós parto.

Aqui no Brasil também foi uma mulher que introduziu o método: Alice Becker.

Por tudo isso hoje, no Dia Internacional da Mulher, vamos homenagear a Clara Pilates e a todas as mulheres “pilateiras” apaixonadas pelo método e que levam adiante esse precioso legado.

 Texto por Valeria Mauriz

Fonte: Revista Mais que Pilates






quinta-feira, 16 de março de 2017

SAIBA A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA NO PRÉ E PÓS OPERATÓRIO EM CIRURGIAS PLÁSTICAS ESTÉTICAS





Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, o Brasil é o segundo país que mais faz cirurgias plásticas estéticas, perdendo apenas para os Estados Unidos. A cada três anos, são realizadas mais de 1.000.000 de cirurgias estéticas no nosso país. O culto ao corpo está cada vez mais latente, lotando os consultórios de cirurgiões plásticos.

Como qualquer cirurgia podem surgir complicações, na cirurgia plástica, por mais que não tenham enfermidades prévias e seja considerada uma cirurgia limpa, não é diferente. As complicações mais comuns são: edema, equimose, hematoma, seroma, fibroses e deiscência. Mediante a estas complicações, a Fisioterapia Dermatofuncional ganha espaço e cada vez mais é recomendada no pós operatório pelos cirurgiões plásticos. O fisioterapeuta detém de conhecimento em recursos manuais, obtendo melhor percepção nas alterações teciduais, intervindo com técnicas que melhoram a textura da pele, estimulando a eliminação de nódulos fibróticos no tecido subcutâneo, reduzindo do edema, atenuando as aderências teciduais, recuperando as áreas com hipoestesias e, consequentemente, favorecendo a recuperação e o retorno mais rápido do paciente nas suas atividades de vida diárias (AVD’s).

O Fisioterapeuta que atua no pós operatório em cirurgia plástica utiliza vários recursos fisioterapêuticos, como o TENS, o LED, a radiofrequência, ultrassom de 3MHz, o laser de baixa frequência, a mobilização tecidual, a fisioterapia respiratória e a cinesioterapia, objetivando prevenir e/ou minimizar os efeitos que ocorrem nos tecidos durante o processo de cicatrização.

A cinesioterapia é de suma importância num pós operatório, pois se tratando de um recurso fisioterapêutico que trabalha os movimentos de todo o corpo, trata o paciente de forma integral, podendo ser orientada para a realização dos exercícios em domicílio, efetivando a recuperação do paciente e sendo de fácil compreensão e realização para o individuo, prevenindo possíveis complicações e disfunções de segmentos corporais, assim como na prevenção de Trombose Venosa Profunda (TVP).

A fisioterapia respiratória entra como um grande aliado no pré e no pós operatório, pois em cirurgias de abdominoplastia se fará a plicatura da aponeurose, ocasionando um aumento da pressão intra-abdominal e consequentemente, haverão disfunções pulmonares no pós-operatório. A função pulmonar pode sofrer alterações fisiopatológicas no período pós-operatório imediato da cirurgia abdominal e envolve a redução dos volumes e capacidades pulmonares, podendo chegar cerca de 50% dos valores pré-operatórios, principalmente nas primeiras 24 e 48h do ato operatório. A fisioterapia respiratória realizada no período do pós-operatório promoverá a prevenção e o tratamento das complicações pulmonares instaladas, utilizando técnicas específicas como manobras e dispositivos respiratórios não invasivos, objetivando a melhora da mecânica respiratória e a reexpansão pulmonar. É importante a atuação do profissional fisioterapeuta nos primeiros dias, quando estas alterações são mais frequentes (MEYER, P. F. et al). No pré operatório, a fisioterapia respiratória é necessária para garantir uma reeducação da mecânica respiratória, garantindo uma resposta positiva no pós cirúrgico.

Em suma, o pós operatório não se resume apenas em sessões de drenagem linfática. É necessário ter conhecimento prático e científico para realizar um tratamento completo, observando o indivíduo como um todo, e não focar apenas na cirurgia realizada.

Dra. Glória Lourenço –

Fonte: Revista Nova Fisio






www.fisiobeautypilates.com.br

quarta-feira, 15 de março de 2017

Pilates: Uma experiência positiva de mover



Mover é algo natural, nasce com a gente e nos acompanha durante toda nossa jornada.

Mas é bem provável que você já tenha se deparado com alguém dizendo que está com dor e não deveria se mover, ou que acredita que mover aumentaria sua dor.

O IASP (Associação Internacional para Estudos da Dor) define dor como uma experiência sensorial, subjetiva e emocional desagradável, relacionada à lesão real ou potencial dos tecidos, das quais possuem diversas classificações e manifestações.

Você já ouviu falar sobre o “Efeito Nocebo” e Hipervigilância?

O efeito Nocebo é oposto ao Placebo (do latim, placeo, placere, siginifica agradar), enquanto nocebo (do latim, nocere, infligir dano), em que a antecipação e a expectativa por um resultado negativo podem agravar a dor, sintoma ou doença.

Alguns estudos sobre esse efeito, com estímulos verbais negativos de aumento de dor, têm mostrado aumento à percepção da intensidade da dor. E que estímulos opostos (de reforço positivo) teriam efeitos também opostos, melhorando a percepção e a resposta à dor.

A Hipervigilância é causada pela ansiedade gerada na expectativa de sentir dor, levando atenção redobrada exagerada à espera pela dor. Como se o foco estivesse sempre na dor e no local da dor, impedindo de realizar atividades diárias, de trabalho, exercícios e de lazer.

O efeito Nocebo tem influência direta na hipervigilância e em muitos sintomas comportamentais que impedem o aluno de se mover com prazer.

Mas o que fazer quando nos deparamos com tais manifestações comportamentais?

O IASP recomenda atividade física de modo “a diminuir a ansiedade relacionada com o movimento e bloqueios motores funcionais”, assim como quebrar a ligação aprendida entre dor e atividade, treinar formas de lidar com o stress e proporcionar diversão e prazer, conduzindo a novas experiências emocionais.

Esta ainda reitera que quem sofre com a dor, é parte integrante do processo e que deve assumir a responsabilidade por si próprio.

Recentemente, na segunda semana de fevereiro, o Colégio Americano de Médicos (ACP em inglês), divulgou novas recomendações para pacientes com dor lombar. Terapias físicas das quais estão amplamente incentivados exercícios físicos, exercícios de controle motor, ioga, tai chi, acupuntura, terapias manuais, dentre outras não farmacêuticas, sob orientação de profissionais com treinamento apropriado.

De encontro com as recomendações da ciência atual, Joseph H. Pilates, nos seus livros escritos em 1934 e 1945 (Your Heth e Return to Life through Contrology) já observava o comportamento das pessoas e nos guiava a um plano que resgataria o desenvolvimento completo de corpo, mente e espírito.

Joseph falava dessa responsabilidade pelo próprio corpo em um dos Grandes Princípios Guias, o “Engajamento Total do corpo”.

 (…) ”nem a mente e nem o corpo são supremos, ou seja, que um não pode ser subordinado ao outro. Ambos precisam ser coordenados para se atingir o máximo resultado com gasto mínimo de energia mental e física, e também para que possamos viver o maior tempo possível com uma saúde normal e desfrutando dos benefícios de uma vida proveitosa e feliz.”

Podemos observar diariamente em nossas aulas as pessoas se beneficiando do movimento e com diferentes objetivos.

As aulas de pilates são tão democráticas que atendemos crianças, jovens, adultos, gestantes, idosos, atletas, pessoas que estão se recuperando e já estão liberadas para mover, pessoas com deficiência física e todos que estiverem dispostos a se mover.

Nossa missão, como profissionais do movimento e da saúde, é proporcionar para todas essas pessoas, inclusive e especialmente as que sofrem com dores crônicas, experiências positivas de movimento.

Para que isso aconteça é preciso avaliar, planejar e progredir gradualmente nas aulas, de maneira que mover seja prazeroso e progressivamente desafiador. E vale lembrar também que “paciência e persistência são qualidades vitais no alcance bem-sucedido de qualquer esforço que valha a pena.” (Joseph H. Pilates).

 Poder propiciar para as pessoas bem estar e um “querer bem” em se mover nas aulas de Pilates, além de todos os muitos benefícios da técnica é um privilégio e de grande responsabilidade.

“Um bom condicionamento físico é o primeiro requisito para felicidade. Nossa interpretação da boa forma física é a obtenção e a manutenção de um corpo desenvolvido uniformemente com uma mente sadia, totalmente capaz de realizar natural, fácil e satisfatoriamente nossas numerosas tarefas diárias, com espontaneidade e prazer.” (Joseph H. Pilates)

Mover nos faz bem!!

Fonte: Texto de Marcela Andrade, Revista Mais que Pilates

terça-feira, 14 de março de 2017

COMO O PILATES É IMPORTANTE PARA TRATAR A DEPRESSÃO



A depressão é uma condição presente na vida de muitos brasileiros hoje em dia.

Apesar de parecer apenas uma tristeza profunda, a depressão é muito mais do que apenas isso, alterando completamente a vida dos indivíduos que a possuem.

Nesta matéria reunimos tudo que você precisa saber sobre a condição e como o Método Pilates é importante no tratamento da doença.

Vamos ver!

Causas

Genética

Apesar de muitas pessoas não saberem, a genética tem uma grande influência na depressão.

Segundo pesquisas, se um dos pais tem a doença, as chances de o filho ter são 3x maiores do que em famílias que não possuem.

Mulher

Outro motivo que possa vir a chocar é o fato de você ser mulher.

Por ter uma alta quantidade de hormônios, as mulheres tem o dobro de chance de desenvolver a depressão.

Isso se dá também pois o sexo feminino é mais exposto a eventos estressantes, como o parto por exemplo.

Idade

Apesar de o envelhecimento não estar diretamente ligado à depressão, o índice da doença é maior na população idosa.

Isso se dá porque os idosos estão mais suscetíveis à doenças, uso de medicamentos, e um maior isolamento da sociedade.

Por isso, fique atento à parentes e amigos, ok?

Doenças Crônicas

Os portadores de doenças crônicas sofrem com males que não podemos imaginar, tais como, muitas dores, debilitação física e alteração do estilo de vida.

Dessa forma, essa população tem uma grande chance de contrair a depressão por estar mais vulnerável.

Traumas

Sequestros, Roubos, Assédio ou qualquer outro tipo de acontecimento que deixa uma marca na vida da pessoa, pode ser muito difícil de se lidar.

Assim, algumas pessoas desenvolvem a depressão por conta disso.

Sintomas da Depressão

Muitos são os sintomas da depressão, desde se sentir solitário até se sentir irritado.

Aqui abaixo deixamos uma lista de sintomas que podem ser encontrados em indivíduos que possuem depressão.

  • Desânimo
  • Cansaço Fácil
  • Irritabilidade
  • Humor Depressivo
  • Falta de Motivação
  • Falta de Vontade
  • Insegurança
  • Desespero
  • Pessimismo
  • Sentimento de Culpa
  • Baixa Auto Estima
  • Sentimento de Inutilidade
  • Pensamento de Morte
  • Perda ou Aumento de Apetite
  • Insônia
  • Prevenção


É muito difícil uma receita pronta que faça com que a depressão seja prevenida.

Mas algumas ações podem ser tomadas para que se tente ao máximo evitar a doença. São elas:

  • Prática de Atividades Físicas Diariamente
  • Alimentação Saudável e Balanceada
  • Lazer
  • Qualidade de Sono
  • Cuidado com Outras Doenças Físicas
  • Já que existem maneiras que ajudam a evitar a doença, nada melhor do que nos prevenirmos, certo?


O Pilates pode ser muito bom e ajudar a pessoa que está com depressão. Mas como?

A partir do princípio da respiração, o aluno tem o poder de mexer com as emoções profundas, e assim pode ter conexões através dos sons e comandos verbais, a imagens que o remeta a fatos alegres.

O princípio da concentração também é necessário ser trabalhado na pessoa. Ele ajuda a vencer barreiras físicas e mentais pois o aluno está se conectando com seu corpo mais facilmente.

Qualquer exercício deve ser feito corretamente para que a pessoa veja que é capaz de fazer, assim aumentando sua auto estima.

Entrar em contato com outras pessoas no Studio de Pilates, faz com que a pessoa esteja ligada a situações espontâneas, fora do seu círculo social.

A Contrologia te força a conectar sua mente com o seu corpo, então o Pilates é uma das principais maneiras de fazer você lutar contra a depressão.

Ao exigir o foco que o Método exige ao conectar com seu corpo, ele ajuda a sentir que a pessoa está de volta no controle de sua própria vida.

O Método é um ótimo alívio para aqueles que além de depressão, também sofrem de sintomas como ansiedade e o estresse.

Como podemos ver, a depressão tem em um de seus principais pontos, a baixa auto estima e a sensação de que não tem mais controle da sua vida.

Com o Pilates criando uma imagem saudável, faz com que seja um ponto extremamente positivo para a pessoa com depressão.

Além de ter na prática de exercícios físicos uma forte luta contra a doença.



Benefícios do Método

Como já dito anteriormente, uma das principais coisas a serem feitas por alguém que quer evitar ou tratar a depressão, é a prática de exercícios físicos.

Dessa forma, com todos os seus benefícios e grande gama de exercícios, o Pilates é uma ótima opção para aqueles que querem praticar alguma atividade.

Separamos alguns benefícios específicos para os indivíduos com depressão:

  • Alívio do Estresse
  • Redução da Irritabilidade
  • Melhora na Qualidade do Sono
  • Melhora do Apetite
  • Aumento da Energia
  • Redução de Riscos de Outras Doenças


A depressão é uma péssima companhia para qualquer um e muitas vezes difícil de ser combatida.

Com esse texto tivemos o intuito de mostrar como o Método Pilates pode ser uma ajuda positiva na vida dessas pessoas.

E também quantos benefícios podem vir da prática da atividade física.

Fonte: Revista Pilates



sábado, 11 de março de 2017

Lesões no joelho: causas, sintomas e tratamento


Lesões no joelho: causas, sintomas e tratamento



O joelho é composto da articulação do fêmur com a tíbia e do fêmur com a patela. Contém quatro ligamentos caracterizados como cruzado anterior, cruzado posterior, colateral medial e colateral lateral, dois meniscos: medial e lateral, cartilagem articular e da membrana sinovial, que produz o líquido para lubrificar as estruturas do joelho. Este membro pode sofrer lesões de diversas formas, seja por trauma direto como pancadas ou indireto que é o caso da entorse. Além disso, o joelho ainda corre o risco de sofrer com o seu uso inadequado e excesso de carga.



As lesões que mais acometem o joelho são as ligamentares, as meniscais e as condrais (cartilagem). Elas acontecem devido a traumas que são consequências da prática esportiva, ou seja, os atletas tendem a sofrer muito mais com problema dos joelhos. Na verdade, uma lesão no joelho é muito temida pelos atletas e esportistas, principalmente porque diversas patologias podem até impedir a continuação da prática esportiva.

PRINCIPAIS LESÕES:

Lesão no ligamento medial

É mais comum em jogadores de futebol, pois o joelho fica mais exposto e sofre com as pancadas.
O principal sintoma é a dor na região interna do joelho. O tratamento é feito com imobilização e fisioterapia. O tempo de recuperação total do joelho pode ser de três a seis semanas.

Ligamentos cruzados anterior (LCA) 

Esse ligamento está localizado entre a tíbia e fêmur. Esta lesão ocorre após uma torção do joelho com o pé fixo no chão durante a prática esportiva especialmente no futebol. Após a ruptura desse ligamento, o joelho pode ficar instável. A lesão pode ser tratada através da fisioterapia e quando há rompimento total pode ser necessária a indicação de uma cirurgia.

Lesões do menisco 

Esse tipo de lesão são decorrentes de traumas rotacionais, processos degenerativos articulares ou malformações das estruturas meniscais.

Tendinite 

Consistem na inflamação dos tendões abaixo da patela que geralmente são lesionados devido a uma sobrecarga ocasionada por exercícios ou degeneração. A tendinite patelar acomete principalmente os atletas, sendo conhecida como ” Joelho saltador”.

O QUE PODE CAUSAR UMA LESÃO NO JOELHO


Atividade física sem orientação, acidente, excesso de peso, fatores genéticos, muitas são as causas que podem afetar o joelho, que é uma das maiores articulações do corpo humano e também uma das que mais sofre lesões.



Um problema comum que atinge o joelho é a artrose, que tem início com uma degeneração da cartilagem entre a patela e o fêmur e entre a tíbia e o fêmur. Essa patologia pode acontecer após exercícios feitos de forma inadequada, predisposição genética, sobrecarga ou traumas prévios. A articulação entre o fêmur e patela (femoropatelar) é comumente a que mais sofre este problema degenerativo, provocando dor, inchaço e limitações de movimentos.

A obesidade também é uma das principais causas de lesões nos joelhos. Esse desgaste da cartilagem é o maior problema que o sobrepeso pode causar ao joelho e, depois da condromalacia, pode avançar para a artrose.

Mulheres também devem tomar cuidado com calçados. O uso constante de salto alto força a coluna e sobrecarrega o quadril e os joelhos. O salto alto faz com que os joelhos fiquem hiperestendidos, além de prejudicar o equilíbrio do corpo.

SINAIS DE UMA LESÃO

Geralmente, as pessoas só dão conta que estão com o joelho lesionado por conta dos incômodos. A limitação dos movimentos, dor na interlinha medial ou lateral do joelho estão entre os sintomas. As mulheres que jogam futebol, vôlei, ou qualquer outro esporte de risco têm mais chances de sofrer lesões especificamente no ligamento cruzado anterior. Isso acontece devido aos fatores biomecânicos e anatômicos. Quem não trata a lesão no joelho pode apresentar movimentos limitados, o que pode prejudicar e até inferir no futuro do atleta, já que ele corre o risco de não conseguir competir novamente.

O TRATAMENTO PARA LESÕES NO JOELHO




O tratamento para essas lesões irá depender de diversos fatores que incluem exames, local da lesão e da intensidade
dos sintomas. Mas, em geral, as lesões são diagnosticadas com exames como raio-X e ressonância magnética. O tratamento é associado à fisioterapia. O fisioterapeuta irá trabalhar exercícios para recuperar a musculatura.

Uma das alternativas para tratar uma lesão é a fisioterapia, algumas técnicas cientificamente comprovadas são aplicadas em pacientes diagnosticados com artrose, tendinites, tendinopatias, condromalácea patelar, lesões de menisco, entre outros.

A fisioterapia encabeça o tratamento na maioria dos casos de lesões no joelho. Uma das vantagens de tratar uma lesão de joelho com as técnicas desenvolvidas pelo profissional fisioterapeuta é que não há necessidade do paciente passar por uma cirurgia. E aos poucos, ele pode ir recuperando o seus movimentos, força e equilíbrio.

O tratamento é baseado em manobras que aliviam a dor, fortalecimento muscular, melhora do equilíbrio e propriocepção, proporcionando melhor condição muscular. Entre as técnicas, podemos destacar: terapia manual e estabilização segmentar e fortalecimento, equilíbrio e correção biomecânica.

Terapia manual é feita com a pressão isquêmica e mobilização articular para melhorar o movimento e amenizar os espasmos musculares protetores. Além disso, o fisioterapeuta passa uma série de exercícios para o paciente que envolve o fortalecimento dos músculos específicos de estabilização. Por fim, são feitos exercícios para controlar a postura e o movimento com glúteo máximo, médio, piriforme, gêmeos e obturadores.
Portanto, se você sofreu uma lesão e teme passar por cirurgias, fique tranquilo. Procure um fisioterapeuta para fazer uma avaliação e iniciar logo um tratamento.


Fonte: http://www.institutotrata.com.br/joelho/lesoes-no-joelho-causas-sintomas-e-tratamento/



sexta-feira, 10 de março de 2017

CONTROLOGIA – CONHEÇA A HISTÓRIA DE JOSEPH PILATES!



Você provavelmente já percebeu como o Pilates se popularizou nos últimos anos.

É cada vez mais comum encontrar alguém que pratica a modalidade ou, ainda, que avalia a possibilidade de incorporar o método de exercícios em sua rotina.

É possível que você também já conheça um pouco sobre o método, mas será que você realmente sabe quem foi Joseph Pilates?

Para que você entenda, de uma vez por todas, tudo sobre esse assunto, confira a matéria que preparamos para você!

Boa leitura!

Conheça a História do Joseph Pilates



O Método Pilates conta com uma peculiaridade: ele foi desenvolvido por apenas um criador.

Essa realidade é bem diferente de outras técnicas, como a yoga e as artes marciais, que contaram com a ajuda de muitos envolvidos.

Esse ponto fez com que o método se tornasse realmente único. Joseph Pilates é o responsável por desenvolver a técnica que popularmente leva o seu nome, mas que na realidade foi nomeada de “Contrologia”.

No entanto poucas pessoas sabem como a técnica surgiu e o quanto ela envolve superação e criatividade.

Entenda: Joseph nasceu na Alemanha em 1883, e foi considerado uma criança doente desde cedo.

Ele sofreu muito com asma, raquitismo e febre reumática, uma combinação que trouxe muitas limitações para a sua vida.

Entretanto, engana-se quem pensa que tudo isso o segurou.

Muito pelo contrário: essas barreiras funcionaram como um verdadeiro impulso para que ele mudasse sua realidade, com muito estudo e dedicação.

O Estudo

Por conta própria, Joseph Pilates começou a estudar e a unir os conhecimentos de diferentes áreas.

Ele envolveu a medicina oriental, a fisiologia humana, a yoga e a anatomia em um grande pacote — tudo isso somado ao conhecimento de alguns esportes como ginástica, esqui e até boxe.

Alguns anos mais tarde, mais precisamente em 1914, ele estava fora da Alemanha, morando na Inglaterra.

Essa data sinalizava o começo da I Guerra Mundial, período em que ele foi enviado para uma ilha inglesa para trabalhar em um hospital com exilados e mutilados, por ser considerado um inimigo alemão.

Foi nesse período que começou a colocar seus estudos em prática.

Ele iniciou utilizando um trabalho de molas com os doentes, fazendo os primeiros testes do que seria o Pilates Clássico anos mais tarde.

Sua técnica era desconhecida, mas ganhou força depois que nenhum dos seus internos sofreu com uma gripe que matou milhares de pessoas em 1918.

Conforme foi aplicando seus exercícios, Joseph desenvolveu várias características da nova modalidade, sempre focado em avançar no nível de dificuldade.

Seu objetivo principal era promover mais flexibilidade e força, aliando técnicas de concentração, respiração e autocontrole.



O Casamento

Joseph foi casado com Clara Pilates e o casal fundou o primeiro estúdio de Pilates na cidade de Nova Iorque, em 1923, na Oitava Avenida.

O prédio contava com vários estúdios de dança e de artistas.

O resultado você já pode imaginar, não é mesmo?

Consagrados coreógrafos descobriram o método e começaram a adotá-lo — medida que tornou a modalidade muito famosa entre os bailarinos e atores da cidade, principalmente na década de 40.

Eles buscavam os treinos para desenvolver força, postura e até em eventuais necessidades de reabilitação.

Mesmo com todas as limitações que teve na infância, Joseph Pilates teve uma vida saudável e consideravelmente longa.

Ele morreu aos 83 anos, depois de algumas complicações pulmonares, embora ainda exista muita controvérsia sobre o que realmente originou o problema.

O Legado

O idealizador de uma das atividades físicas mais conhecidas atualmente teve uma ótima forma por toda vida, mesmo em idade avançada.

Ao longo de sua trajetória, ele ensinou muitos alunos, inclusive celebridades, escritores e até mesmo membros da família real inglesa e da alta sociedade nova iorquina.

A difusão de suas técnicas e dos benefícios proporcionados por elas são os seus principais legados.

Saiba mais sobre a criação do Método Original



Você já aprendeu e viu alguns detalhes importantes sobre a criação do Pilates Clássico.

Para entender ainda mais sobre o assunto, nada melhor que um panorama mais profundo, não é?

O método do Pilates visa agrupar calma, concentração, relaxamento e flexibilidade, da mesma maneira que se relaciona com o desenvolvimento do tônus muscular e o movimento.

Além disso, a modalidade visa estimular as partes saudáveis no corpo em vez de focar na análise das condições ruins.

Com o tempo, os pontos fracos são fortalecidos, como a má postura e as fraquezas musculares, e os fortes também serão desenvolvidos.

A Contrologia

Joseph propôs, no seu livro “Return to Life”, que as pessoas deveriam praticar a Contrologia por quatro vezes por semana, pelo menos, por três meses.

Essa é uma forma de analisar se o corpo atinge um desenvolvimento ideal, crescendo também na renovação espiritual e vigor mental.

Você sabe o que ela significa?

A Contrologia é baseada nos seis princípios do método de Pilates.

Eles devem ser executados durante toda a aula, a todo momento e na execução de todos os exercícios. São eles:

Controle dos movimentos (aprimora a coordenação motora);
Precisão (realinha a postura e controla o equilíbrio);
Centro — Power House (fortalece a musculatura e promove a estabilização do tronco);
Fluidez (confere leveza do exercício, sem impactos muito pesados);
Respiração (controle da respiração, tornando-a sincronizada com os outros movimentos);
Concentração (visa o foco para realizar os exercícios com a maior eficácia possível).

Ou seja, como você pode perceber, a Contrologia tem um papel fundamental no controle consciente do corpo, promovendo o equilíbrio e garantindo a saúde.

Para quem não sabe, foi a combinação dessas técnicas que resultou no Método Pilates Clássico.

O domínio, por exemplo, é muito conhecido pelos praticantes, mas muitos deles se assustam com a exigência da prática.

Isso acontece porque é mais difícil praticar os exercícios do Pilates que a maioria das pessoas imagina.

Para que você tenha uma noção, a maioria das pessoas não consegue executar nenhum exercício com a qualidade e o nível proposto pelo criador.



A Inspiração

Nós já falamos sobre isso ali em cima, mas o Método Pilates é um pacote com inspiração em grandes técnicas.

Do Oriente, Joseph incorporou os métodos de relaxamento, ligando sempre o corpo e a mente.

Por outro lado, do Ocidente, ele trouxe a força, a intensidade e a resistência, focando sempre na movimentação para o enrijecimento muscular.

A ideia não é criar um sistema puxado e cansativo de atividades físicas, mas focar na concentração e no progresso da prática.

Nada se constrói da noite para o dia e, se você quer praticar Pilates, é bom ter persistência.

A Difusão do Método e as Mudanças

Como você deve imaginar, se estamos falando do Pilates Clássico, é bem provável que ao longo do tempo tenham surgido outras vertentes da atividade, não é mesmo?

Sim! Romana Kryzanowska foi o primeiro grande nome depois de Joseph Pilates.

Como foi aluna do inventor, ela foi a principal responsável por transmitir os ensinamentos dele para os outros instrutores.

Depois de aluna, ela se tornou professora ainda sob a supervisão de Joseph, em 1942.

Kryzanowska buscou transmitir o ensino da forma mais original possível, mas, com a difusão do método, aconteceram também algumas contribuições.

Depois dela, várias outras pessoas abriram seus estúdios e acabaram incorporando alguns pontos às técnicas originais.

Concluindo…



Depois de ler esse guia com tudo sobre o Joseph Pilates, ficou bem mais fácil entender as suas vantagens, não é?

Portanto, não deixe de ponderar a possibilidade de praticar esse método.

Conhecendo o Pilates verdadeiramente você vai se encantar!

Fonte: Revista Pilates